Publicidade

Estado de Minas ENEM 2021

Resultados do Enem sairão em 11 de fevereiro, diz presidente do Inep

Além disso, ressaltou que os pedidos de reaplicação já estão disponíveis na página do participante e vão até o dia 3 de dezembro


29/11/2021 17:22

Ministro da Educação e o presidente do Inep
Ministro da Educação, Milton Ribeiro, e o presidente do Inep, Danilo Dupas (foto: Luis Fortes/MEC)

Em entrevista coletiva cedida nesta segunda-feira (29/11) o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Danilo Dupas, afirmou que o resultado do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) será divulgado em 11 de fevereiro. Além disso, ressaltou que os pedidos de reaplicação já estão disponíveis na página do participante e vão até o dia 3 de dezembro.

Sobre a adesão ao segundo dia de provas, o presidente expôs que foram registrados 70,1% de presentes. "Mesmo em pandemia, tivemos a manutenção da série histórica", completou. Quando questionado por jornalistas sobre a informação vazada por servidores do Inep de que o banco de questões para as próximas provas havia se esgotado, Danilo assegurou que o mesmo está sendo renovado e que "não haverá problemas em relação a isso nos próximos anos".
Para o ministro da Educação, Milton Ribeiro, "a educação brasileira venceu". De acordo com ele, a crença de que houve interferência nas provas foi tão grande que quatro grupos diferentes de parlamentares, sobretudo da oposição, "tentaram, a todo custo, esses sim, frustrar o sonho de milhões de alunos e estudantes que se preparam durante toda a pandemia para poder ascender ao ensino superior", afirmou.  "Tentaram a todo custo barrar a realização do Enem, mas a nossa justiça se mostrou inflexível contra os interesses mesquinhos e politiqueiros, e, por isso, vencemos as 4 ações", assegurou.

Citação bíblica

O ministro voltou a citar uma frase bíblica utilizada por ele na Comissão da Educação: "Basta ao dia seu próprio mal (Mateus 6.34)". "Usei isso quando vários parlamentares perguntaram sobre uma possível interferência e eu disse que precisaríamos primeiro esperar o resultado das provas e analisar as questões. A cara do nosso governo é sem nenhuma tolerância com a coisa errada", falou.

Sobre a interferência, ele finalizou dizendo que "a realização do Enem já foi a resposta". "Quando os educadores e especialistas da educação tiveram acesso ao conteúdo dos itens, eles verificaram que (os itens) seguiam o mesmo padrão do Enem de anos passados. Eu jamais me permitiria ser usado ou manipulado para algo que fosse fora do que a lei estabelece", disse. 

*Estagiária sob a supervisão de Andreia Castro

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade