UAI
Publicidade

Estado de Minas ENEM

Enem deste ano deverá ter mais conteúdo e menos espírito crítico

Após anúncio do ministro da Educação, professores esperam provas tradicionais neste fim de semana


19/11/2021 06:00 - atualizado 19/11/2021 07:49

Túlio Silveira Bittar
Túlio Silveira Bittar, de 17 anos,aluno do 3º ano do ensino médio do Colégio Arnaldo: "O somatório dos dois dias tem que ser bom para garantir a vaga na faculdade" (foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press)


Uma prova com mais conteúdo e sem polêmicas. É essa a aposta de professores no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), depois de amanhã, quando a área de humanas reina absoluta. Até dois anos atrás permeadas pelo espírito crítico, as 90 questões de ciências humanas e linguagens tendem a abandonar essa marca da avaliação para focar em itens clássicos do português, literatura, língua estrangeira, história, geografia, sociologia e filosofia.


O Enem 2020, aplicado no início do ano, mostrou esse lado voltado ao conteúdo e deu as cartas de um novo estilo de prova. Na quarta-feira, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou em sessão na Câmara dos Deputados que o teste terá “a cara do governo”. “Avisei meus alunos: visto o atual momento do país, não esperem uma prova muito crítica, mas razoavelmente conteudista, com questões interpretativas. Esqueçam tudo que possa levar à polêmica”, afirma o professor de história Carlos Alberto Bastani, do Colégio Arnaldo. “Ficarei muito feliz se for surpreendido com o contrário, mas o que sabemos até o momento é que a característica do Enem sofre com uma ruptura da prova este ano”, diz.

Nessa linha, Brasil colônia, Império e República fazem parte do conteúdo tradicional. Em história geral, as questões mais comuns devem dizer respeito à era moderna e contemporânea. Na filosofia e sociologia, consideradas duas bases sensíveis ao governo atual, a aposta são os clássicos, enquanto a geografia deve focar no conteúdo geral físico, como relevo e clima, sem abordar tanto temas políticos e sociais.

Conteúdo na ponta da língua? Resposta positiva ou negativa, a única certeza do momento é que não é mais hora de estudar. Passar o pente fino naquilo que gera alguma dúvida é até permitido, mas aprender conteúdo a apenas dois dias do teste não é nada aconselhável. “Estudar agora vai levar a lugar algum. Isso foi feito durante a vida toda. Às vésperas, o indicado é ler uma coisa ou outra, assistir a uma videoaula leve de 15minutos”, orienta. “Descanso, sossego, tranquilidade. Necessário é estar com físico em forma e cabeça legal para o fim de semana. Menos estudo e mais emocional”, diz Carlos Bastani.

Aluno do 3º ano do ensino médio do Colégio Arnaldo, Túlio Silveira Bittar, de 17 anos, conta que apesar de a área de humanas ser seu ponto mais fraco, não se tornou empecilho. “Não é meu forte, mas estou tão preparado quanto estou para as provas de exatas. O somatório dos dois dias tem que ser bom para garantir a vaga na faculdade”, afirma o adolescente, que vai disputar um lugar em engenharia mecatrônica no Cefet-MG.

Para Túlio, a estratégia gira em torno da teoria de resposta ao item (TRI), segundo a qual o participante perde muitos pontos se errar as questões fáceis e acertar as difíceis. O sistema de correção considera que o aluno “chutou”. “Tudo é questão de conciliar para fazer a maior nota possível, alinhando a estratégia de buscar as questões mais fáceis primeiro e acertar o maior número de questões em relação à TRI. Não posso perder tempo com as mais difíceis, que farei se houver tempo. Se tem questão que posso errar, são elas.”
 

Linguagens sem surpresa

Luísa Figueiredo
Luísa Figueiredo, de 18 anos, estudante do 3º ano do Colégio Nossa Senhora das Dores: "Enem é prova de resistência física também. São cinco horas e meia sentado, requer muito esforço" (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)
Também sem surpresas, a prova de linguagens deverá seguir seu caminho tradicional, com boas doses de infográficos, intertextualidade, charges e textos atuais. Tudo isso sem cair em polêmicas, como bem sinaliza a professora de língua portuguesa e redação do Colégio Nossa Senhora das Dores, Sônia Peres Souza Orbe. Seja em português, inglês ou espanhol e literatura, o segredo é tomar cuidado com o tempo, não gastar tempo na mesma questão e tomar cuidado com os distratores.

“No Enem atual, todas as respostas estão corretas, mas nem todas respondem ao enunciado. Por isso, é tão importante saber o que ele pede para achar a boa resposta”, explica a professora. Ela aconselha marcar as palavras-chave tanto do texto de apoio quanto do enunciado – dica preciosa para as provas de todas as áreas do conhecimento. “Se o texto de apoio estiver em linguagem verbal, é interessante ler o enunciado primeiro e depois o texto, para saber o que deve ser procurado”, diz.

E para não estourar os três minutos máximos que devem ser dedicados a cada item, Sônia dá o caminho das pedras. Segundo ela, questões contendo imagem, a exemplo de charge e tirinhas, costumam ser mais fáceis. Já aquelas com textos longos de apoio, que exigem mais interpretação, são perigosas. “Uma palavra que o participante deixa de ler pode levá-lo ao erro. Por isso, é tão importante marcar palavra que considera mais importante, pois não haverá tempo de fazer uma nova leitura.”

Estudante do 3º ano do Colégio Nossa Senhora das Dores, Luísa Figueiredo, de 18 anos, ainda não decidiu qual curso tentará na universidade, mas tem certeza do que não quer: profissões relacionadas a biológicas. Ela conta que seu forte são as áreas de humanas e linguagens e, por isso, prefere focar no segundo domingo do exame. “Não me preocupo muito com o primeiro em termos de conteúdo, mas ele acaba sendo difícil, porque o Enem é uma prova de resistência física também. São cinco horas e meia sentado, o que requer muito esforço.” 

PARA ARRASAR NA PROVA DE CIÊNCIAS HUMANAS

1) Relaxe e controle seu emocional
2) Nesses dois dias que antecedem o exame, descanse e sossegue
3) Leia e tenha atenção ao texto de apoio de cada questão para interpretá-lo. Ele não está ali de enfeite e servirá realmente de base para responder à questão
4) Preste atenção à data de publicação da imagem que aparece, como charge, gráfico, tabela ou foto. A data ajuda o participante a se posicionar espacialmente. Se foi em 1939, por exemplo, é preciso pensar em Getúlio Vargas, no Estado Novo
5) Procure lembrar e relacionar com o que foi trabalhado em sala de aula. Uma piada do professor pode te ajudar a responder à questão

FONTE: Carlos Alberto Bastani/Colégio Arnaldo

PARA ARRASAR NA PROVA DE LINGUAGENS

1) Não perca de vista o tempo de 3 minutos por questão
2) Tome cuidado com os distratores
3) Leia atentamente o enunciado, marcando palavras-chave
4) Fique atento à fonte e à data das imagens e interprete as informações dos infográficos
5) Tenha calma, tranquilidade e não desespere

FONTE: Sônia Peres Souza Orbe/Colégio Nossa Senhora das Dores



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade