UAI
Publicidade

Estado de Minas TROCA NO COMANDO

Petrobras não reajusta preço da gasolina nas refinarias há 74 dias

Defasagem do valor do litro em relação ao preço de mercado está em R$ 0,38 por litro. Trata-se do maior intervalo sem reajustes em mais de 2 anos e meio


24/05/2022 14:43

Gasolina
Último reajuste no preço da gasolina foi há 74 dias, no dia 11 de março (foto: Ed Alves/CB/DA.PRESS)
Em meio a uma nova troca na presidência e no Conselho da Petrobras, cresce a tensão quanto a um possível novo aumento de preços dos combustíveis. Nesta terça-feira (24/5), a companhia completa 74 dias sem reajustar o preço da gasolina nas refinarias, cuja defasagem do valor do litro em relação ao preço de mercado está em até R$ 0,38 por litro. 

Trata-se do maior intervalo sem reajustes em mais de 2 anos e meio. Analistas apontam que, diante da expectativa quanto à eleição dos novos conselheiros da estatal, a mudança, inclusive, favorece ao governo federal prolongar a decisão por mudanças de preços. 

De acordo com dados da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), o óleo diesel, reajustado há 15 dias, já acumula defasagem entre R$ 0,10/L a R$ 0,01/L, a depender do porto de operação. Para este tipo de combustível, o reajuste resultou em redução de R$0,69 por litro.

Já o preço da gasolina sofreu reajuste há 74 dias, em 11 de março, quando houve aumento de 18,8% nos preços domésticos. O mercado internacional e do câmbio pressionam os preços domésticos e o PPI (preço de paridade de importação) acumula redução de R$ 0,16/L desde o último reajuste. Atualmente, a defasagem está variando entre -R$ 0,26/L a R$ 0,38/L, a depender do porto de operação.

Bandeira de campanha

O presidente da Abicom, Sérgio Araújo, disse que o cenário de incertezas incomoda. "Há mais troca de presidentes da Petrobras do que de mudanças de preços", ironiza. "Com a defasagem baixa devido à melhora no câmbio e nas commodities, deve evitar um novo aumento, muito mais do que a mudança na liderança", avalia.  

Para o senador Jean Paul Prates PT-RN, líder da minoria no Senado, a questão da Petrobras virou uma bandeira de campanha de Bolsonaro, que faz manobras políticas com a estatal para reforçar o discurso pró-privatização. 

"Bolsonaro mascara a questão dos combustíveis, para fazer de conta aos eleitores que está trabalhando para abaixar os preços. Não está fazendo nada, e não quer fazer. A equipe econômica não quer usar as receitas extraordinárias com o petróleo alto para mitigar os preços internos. Não adianta trocar o presidente da Petrobras ou criar atrito com os governadores quando o problema esta na mão do presidente da República. Ele se esconde do dever de mudar a política de Preço de Paridade de Importação", destaca.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade