UAI
Publicidade

Estado de Minas HOME OFFICE

MP muda trabalho remoto

Alterações permitem adoção de modelo híbrido. Além disso, prevê contratação com controle de jornada ou por produção. Governo aponta ''segurança jurídica''


26/03/2022 04:00 - atualizado 25/03/2022 22:59

Para autoridades, a flexibilização ajudaria tanto patrões quanto empregados e se refletiria positivamente na produtividade
Para autoridades, a flexibilização ajudaria tanto patrões quanto empregados e se refletiria positivamente na produtividade (foto: CHRIS DELMAS/AFP - 14/8/21)

O teletrabalho, ou trabalho remoto, veio mesmo para ficar. Se durante a pandemia, quando o modelo ganhou força e foi adotado por milhares de empresas praticamente em todo o mundo, a administração pública precisou adequar regras e leis vigentes às novas necessidades, agora é hora de ajustar os detalhes para o futuro.

Ontem, o governo federal apresentou duas medidas provisórias para regulamentar pontos na modalidade de contratação e emprego, visando ajudar na retomada da economia.

A primeira medida prevê alterações para o trabalho remoto. Com a aplicação das mudanças, a modalidade poderá ser realizada no modelo híbrido, com trabalho em casa e na empresa, e na contratação com controle de jornada ou por produção.

A adoção desse regime, assim, seria acordada entre o empregador e o trabalhador e deverá seguir normas já previstas na legislação. No caso do controle de trabalho, continuam valendo regras como a da intrajornada, pagamento de horas extras, entre outros benefícios.

Quanto ao trabalho por produção, a MP prevê que não seja aplicado no contrato a previsão de controle de jornada de trabalho, conforme consta na legislação trabalhista.

Além disso, o texto define o reembolso por parte da empresa ao trabalhador de eventuais despesas ligadas ao trabalho remoto, como custos com internet e energia elétrica, entre outros gastos.

A inovação adota também regras aplicáveis ao teletrabalhador que passa a residir em localidade diversa da de onde foi contratado. Nessas situações, a medida provisória diz que para efeitos do teletrabalho vale a legislação da localidade onde o trabalhador celebrou o contrato.

As medidas provisórias foram apresentadas no Palácio do Planalto, vinculadas ao programa de Renda e Oportunidades. Para o governo federal, as alterações asseguram flexibilidade e segurança jurídica ao sistema, que ajudou a garantir a manutenção de milhões de postos de trabalho durante a pandemia de COVID. A estimativa governamental é de que a crise sanitária levou cerca de 8 milhões de trabalhadores para o trabalho remoto.

Segundo o ministro de Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, a MP dá preferência para que o regime remoto seja adotado por mães e pais de crianças pequenas de até 4 anos ou com filhos com deficiência.

"Aprendemos, ao longo da pandemia, um outro potencial a ser explorado no trabalho remoto no Brasil. Em várias atividades, descobriu-se que o trabalhador responde, às vezes, até com maior produtividade fora do local físico da empresa", disse o ministro.

Bruno Dalmoco, secretário-executivo da pasta, elogiou o modelo, regulamentado na gestão do presidente Michel Temer, e ressaltou a importância dos ajustes, garantindo 'segurança jurídica'. "A calamidade demonstrou que é preciso fazer mais com as formas híbridas. Inclusão previdenciária? Permitimos", afirmou.

"O teletrabalho é um instrumento de gestão que blinda os trabalhadores. As pessoas querem um sistema flexível. Querem estar em algum momento na empresa, e as empresas entendem que isso é importante. Isso é um instrumento de gestão", defende Dalmoco.

O secretário também alertou que, referente à contribuição previdenciária, não há diferença entre quem exerce o teletrabalho ou o presencial. O mesmo, também, no que se refere à questão salarial. "A legislação proíbe", destacou.

CALAMIDADES 


Em relação a períodos com decretos vigentes de estado de calamidades públicas, a MP permite ao poder público nacional, estadual ou municipal adotar medidas como a facilitação do regime de teletrabalho, a antecipação de férias individuais e coletivas, o aproveitamento e antecipação de feriados e o saque adiantado de benefícios.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade