UAI
Publicidade

Estado de Minas MERCADO DE TRABALHO

Desemprego cai em Minas, mas ainda afeta 1,4 milhão de trabalhadores

Segundo dados do IBGE, taxa de desocupação no estado caiu de 13,8% no primeiro trimestre do ano para 12,3% no segundo


31/08/2021 18:00 - atualizado 31/08/2021 18:49

No setor privado, 75,2% dos empregados tinham carteira de trabalho assinada em Minas no segundo trimestre do ano(foto: PBH/ASSCOM)
No setor privado, 75,2% dos empregados tinham carteira de trabalho assinada em Minas no segundo trimestre do ano (foto: PBH/ASSCOM)
A taxa de desemprego em Minas Gerais foi estimada em 12,5% no segundo trimestre de 2021, com queda em relação ao primeiro trimestre, quando o indicador atingiu 13,8%. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua) divulgada pelo IBGE, 1,4 milhão de pessoas no estado estão sem uma ocupação.

 

 


No Brasil, a taxa de desemprego foi de 14,1%, uma redução de 0,6 ponto percentual em relação à taxa do 1º trimestre (14,7%). Foi a menor taxa de desemprego no ano. Apesar disso, 14,4 milhões de brasileiros ainda estão em busca de emprego.

Os estados que registraram as maiores taxas foram Pernambuco (21,6%), Bahia (19,7%) e Sergipe (19,1%). Já Santa Catarina (5,8%), Rio Grande do Sul (8,8%) e Mato Grosso (9,0%) apresentaram os menores índices do país.

Força de trabalho e ocupação de postos 


No segundo trimestre, a força de trabalho em Minas Gerais era composta por aproximadamente 10,8 milhões de pessoas,  se mantendo estável em relação ao primeiro trimestre, porém apresentando um aumento de 4,5% frente ao mesmo período do ano passado, quando a pandemia já havia se instalado no país e as medidas de restrições obrigavam o fechamento de negócios. 

No estado, 9,5 milhões estavam ocupadas e 1,4 milhão desocupadas. Assim, em relação ao primeiro trimestre, houve aumento de 2,3% da população ocupada (215 mil pessoas) e redução de 8,8% da população desocupada (menos 131 mil pessoas). 

No Brasil, o total de ocupados aumentou 2,5% no mesmo período, enquanto o número de desocupados não apresentou variação significativa.

Em relação ao segundo trimestre do ano passado, o total de pessoas ocupadas apresentou aumento de 5% no estado (452 mil pessoas), já o total de desocupados não apresentou variação significativa. 

No Brasil, em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, o total de ocupados aumentou 5,3%, enquanto o número de desocupados aumentou 12,9%. Nesse período, houve queda da população fora da força de trabalho no estado (-3,3%) e no país (-3,7%).

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi estimado em 52,7% em Minas Gerais, aumentando em relação ao primeiro trimestre e ao segundo trimestre do ano anterior. 

No Brasil, o nível de ocupação atingiu 49,6%, também apresentando aumento em relação aos dois trimestres de comparação (1,2% e 1,6%, respectivamente).

Subutilização da força de trabalho


No segundo trimestre de 2021, a taxa total de subutilização da força de trabalho foi de 26,7% em Minas Gerais, o que representa 3,1 milhões de pessoas. 

A subutilização considera não apenas a população desocupada, mas também engloba os subocupados por insuficiência de horas trabalhadas e a força de trabalho potencial.
 
O total de pessoas subutilizadas não apresentou variação significativa em relação ao primeiro trimestre, mas, em comparação com o segundo trimestre do ano passado, houve queda de 189 mil pessoas nessa condição. 

No país, a taxa total de subutilização da força de trabalho foi de 28,6%, com redução de aproximadamente 993 mil pessoas subutilizadas em relação ao primeiro trimestre.

Em Minas Gerais, os desalentados foram estimados em 451 mil pessoas, enquanto no Brasil somam 5,6 milhões. O percentual de pessoas desalentadas em relação à população na força de trabalho ou desalentada ficou em 4% no estado e 5,2% no país.

População ocupada por posição na ocupação


A população ocupada em Minas Gerais, estimada em 9,5 milhões de pessoas, era composta por 66,7% de empregados (incluindo empregados do setor público e trabalhadores domésticos), 4,8% de empregadores, 25,8% de pessoas que trabalhavam por conta própria e 2,6% de trabalhadores familiares auxiliares. 

No setor privado, tirando trabalhadores domésticos, 75,2% dos empregados tinham carteira de trabalho assinada, percentual próximo ao observado no Brasil (75,1%). 

A taxa de informalidade no quarto trimestre de 2020 ficou em 40% da população ocupada no estado, um pouco abaixo da estimada para o Brasil, de 40,6%.

Em Minas Gerais, em relação ao primeiro trimestre, foi estimado um aumento de 6% dos trabalhadores por conta própria. 

Em comparação com o segundo trimestre do ano passado, houve crescimento do total de empregados do setor privado sem carteira assinada (17,0%), trabalhadores domésticos (14,1%) e trabalhadores por conta própria (14,3%). Por outro lado, houve queda do número de empregados do setor público (-8,4%). 

No Brasil, em relação ao primeiro trimestre, foi registrado aumento do número de empregados do setor privado com e sem carteira (crescimento de 2,1% e 3,4%, respectivamente) e do total de trabalhadores por conta própria (4,2%). 

Em relação ao mesmo trimestre de 2020, houve expansão do total de empregados do setor privado sem carteira (16,0%), trabalhadores domésticos (8,4%) e conta própria (14,7%).

População ocupada por atividade econômica


Analisando o número de pessoas ocupadas por atividade econômica, em relação ao primeiro trimestre, no Estado, houve aumento de 6,7% do total de ocupados na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, o que representa 81 mil pessoas a mais. 

Em relação ao segundo trimestre do ano passado, houve expansão de 13,7% do total de ocupados na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (155 mil pessoas); de 17,3% na construção (105 mil pessoas); e 14,3% nos serviços domésticos (84 mil pessoas). 
 
*Estagiária sob supervisão 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade