Publicidade

Estado de Minas TURISMO

Mesmo com pandemia, cresce procura por viagens; Nordeste é a principal opção dos mineiros

Aumento da demanda tem animado as agências de viagens após um período de paralisação praticamente total entre março e julho


25/09/2020 12:21 - atualizado 25/09/2020 13:48

Praias do Nordeste estão sendo bastante procuradas por mineiros para o próximo feriado(foto: Cristiane Silva/EM/D.A Press)
Praias do Nordeste estão sendo bastante procuradas por mineiros para o próximo feriado (foto: Cristiane Silva/EM/D.A Press)
No feriado do dia 12 de outubro, quando se comemora o dia de Nossa Senhora de Aparecida – padroeira do Brasil -, muitos brasileiros pretendem aproveitar a folga no calendário para conhecer novos lugares, algo que ficou mais fácil depois que muitos estados passaram a flexibilizar o funcionamento de setores da economia durante a pandemia da COVID-19. Em Belo Horizonte, por exemplo, um dos destinos mais procurados em agências de viagens é o Nordeste.

A grande quantidade de procura tem animado as agências de viagens, que ficaram totalmente paralisadas entre março e julho, realizando apenas remarcações de viagens ou cancelamentos. No começo da pandemia, uma campanha chegou a ser feita para que os clientes fizessem a opção por escolher uma nova data para o embarque, evitando a ruptura total do contrato. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de Minas Gerais (ABAV-MG), Alexandre Brandão, o movimento teve alta adesão.

“Até julho houve uma paralisia muito grande. Nós ficamos de março a junho totalmente parados, fazendo coisas esporádicas e emergenciais, principalmente trabalhando em remarcações e cancelamentos. Aquela campanha que fizemos do “Não cancele, remarque” deu um resultado muito positivo. Quase 90% dos clientes não cancelaram. Eles deixaram um crédito para usar futuramente”, afirma.

A adesão foi um marco importante na retomada do turismo, que teve sinais de respiro a partir de agosto, quando houve uma quantidade considerável de procura por viagens para o feriado de 7 de setembro - Independência do Brasil. Para a semana de 12 de outubro não está sendo diferente. Brandão, que também é proprietário da Uai Viagens, relata que a busca por pacotes para as praias do Nordeste estão em alta, seguidas por cidades do interior de Minas, como Tiradentes, e até mesmo destinos pouco conhecidos no país.

“Porto Seguro, Jericoacoara, Lençóis Maranhenses, além da região de Tiradentes, de Serra do Cipó e hotéis fazenda. Temos notado, também, procura por destinos que não eram tão conhecidos, como Alter do Chão, próximo de Santarém. Aqui na agência houve procura. Já finalizamos um grupo para lá. As pessoas vão descobrindo novos destinos”, observa o empresário.

O movimento também voltou a aumentar na agência de Vinícius Trivelato. O espaço, localizado em Ponte Nova, na Zona da Mata, tem recebido clientes procurando pacotes para o feriado do dia 12 de outubro com destino ao Nordeste, sobretudo para se hospedar em resorts. De acordo com o empresário, o movimento na agência já está entre 50% a 60% do que era registrado antes da pandemia.

“Está havendo esse volume que está sendo considerado uns 50% a 60% do resultado anterior à pandemia, se considerar como era, e, assim, o pessoal, pelo menos aqui na minha loja, tem procurado principalmente Brasil. A restrição é mais internacional. O medo de viajar de avião está passando”, avalia.

Futuro

O movimento apresentado nos feriados de 7 de setembro e 12 de outubro gera base para que o setor de turismo possa acreditar em um futuro positivo. Para Alexandre Brandão, há uma demanda reprimida de pessoas que buscam viajar, sendo que grande parte delas, durante o rigoroso período de isolamento social, aproveitou para juntar dinheiro.

“Todo mundo estava ansioso para viajar. Viagem é um sonho. Todo mundo ficou muito preso. Apesar de o poder aquisitivo de muita gente ter caído com a pandemia, outras pessoas o poderio não caiu, como servidores públicos, e não tinham onde gastar o salário, não podiam viajar. Esse é o mesmo caso do segmento de luxo, que, tradicionalmente viaja para o exterior, com o fechamento das fronteiras, não viajou. Acreditamos vá ter um incremento grande”, vislumbra Brandão.

O presidente da ABAV-MG também acredita que o incentivo ao turismo, sobretudo dentro de Minas, deve trazer bons ares ao setor. Segundo Brandão, o estado tem um grande trunfo: o elo entre a gastronomia e a cultura, que costuma atrair visitantes de todo o país e até mesmo do mundo.

“O governo (de Minas) descobriu que o turismo é a atividade que traz retorno rápido de dinheiro, porque dinheiro investido em propaganda, a cada R$ 1 voltam R$ 4 e voltam com o dobro da velocidade sobre as demais atividades. Mesmo que a retomada tenha sido um pouco mais lenta, ela traz divisas muito mais rápido. Essa associação turismo, gastronomia e cultura, que está voltando agora e é uma aliada forte, é uma visão bastante positiva e vai fomentar o turismo em Minas”, concluiu.

Já Vinícius Trivelato está ainda mais otimista. Para o empresário, o movimento em sua agência voltará aos antigos patamares até começo de 2021. “A minha expectativa é que até o início do ano já está tudo normal, pelo o que eu estou sentindo. Não sei se estou otimista demais (risos), mas a minha expectativa é essa.”
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade