Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Com queda de juros, planos miram ações


postado em 01/06/2020 13:05

Antes da pandemia, os fundos de pensão tinham iniciado um movimento de diversificação dos investimentos em Bolsa para compensar a queda dos juros e cumprir as metas de rentabilidade. Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), até novembro de 2019 (último dado disponível) a renda fixa representava 73,5% dos ativos dos fundos e os investimentos em ações, 18%.

Naquele mês, com os juros em queda, a rentabilidade dos investimentos ficou negativo em 0,15%, enquanto a renda variável (ações) ficou positiva em 0,5%. O resultado era um indicativo de que as carteiras precisavam apostar em ativos de maior risco.

"O sistema estava iniciando um movimento para aumentar o risco de seus investimentos e cumprir as metas atuariais", diz o presidente da Abrapp, Luis Ricardo Martins. Esse movimento vinha num crescente tão grande que os fundos de pensão estavam ocupando espaço até então dos investidores estrangeiros na Bolsa, acrescenta o economista José Roberto Afonso.

O entrave agora é que a Bolsa despencou com a crise do coronavírus, ainda que haja indícios de recuperação. Enquanto isso, os investimentos conservadores - como títulos do Tesouro - estão com rentabilidade baixa. Eles são atrelados à Selic, que está em 3%, menor nível da história.

"Os ativos precisam crescer numa taxa semelhante ao atuarial. Sem esse equilíbrio, os fundos têm de mudar suas estratégias", diz professor da FEA/USP José Roberto Savoia, ex-secretário de Previdência Complementar. Diretor de investimentos do Postalis, Alexandre Miguel diz que, antes da pandemia, os investimentos em títulos públicos já não batiam a meta. "Víamos a necessidade de tomar mais risco." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade