Publicidade

Estado de Minas SERVIÇOS DE STREAMING X CORONAVÍRUS

Quarentena turbina clientela de aplicativo

Netflix e Sptofy multiplicam público pagante de atrações assistidas durante o isolamento social


postado em 24/04/2020 04:00 / atualizado em 24/04/2020 08:50

Cena da série Pandemia, da Netflix: empresa adicionou 15,7 milhões de assinantes no mundo(foto: Netflix/Divulgação)
Cena da série Pandemia, da Netflix: empresa adicionou 15,7 milhões de assinantes no mundo (foto: Netflix/Divulgação)

São Paulo – Nem só de más notícias vive o período de distanciamento social. Graças à proliferação do home office e à impossibilidade de frequentar bares, restaurantes e baladas, os brasileiros estão aprendendo a buscar alternativas de entretenimento dentro de casa. Com isso, o número de usuários de plataformas de streaming, como Netflix, Amazon Prime e Spotify, disparou nas últimas semanas, puxando também o consumo de dados de internet.

Líder do setor, o Netflix não revela o desempenho no país, mas demonstra que houve aumento vertiginoso ao adotar administrar a qualidade de resolução do streaming durante a pandemia para evitar um colapso dos sistemas de internet e garantir a estabilidade das redes. Segundo a empresa, a decisão é semelhante as que foram adotadas em países europeus, onde as políticas de isolamento foram adotadas antes.

A iniciativa é necessária. Segundo a SindiTelebrasil, entidade que representa as operadoras de telecomunicações, no primeiro mês de isolamento social devido à pandemia da COVID-19 houve aumento médio de 30% no tráfego de dados. Para o presidente da associação, Marcos Ferrari, as empresas estão conseguindo suprir o aumento repentino da demanda, sem colocar em risco a segurança operacional das redes. “Passamos no teste”, afirmou o executivo.
 
De acordo com Ferrari, entre as iniciativas colocadas em prática pelas operadoras no período de pandemia estão a liberação para clientes e não clientes dos canais de TV e lives; o acesso sem cobrança de franquia de dados de todos os apps do Ministério da Saúde e dos apps e sites criados pelo Executivo para o pagamento dos recursos emergenciais de R$ 600 que também podem ser consultados sem o consumo de dados do usuário. Citou também os bônus de franquias do celular para diferentes redes sociais e o parcelamento em 10 ou 12 vezes das contas telefônicas.
 
Em todo o mundo, a quarentena forçada para conter a pandemia do novo coronavírus fez a Netflix ganhar no primeiro trimestre praticamente o dobro de assinantes que o previsto por analistas. A empresa conseguiu adicionar 15,7 milhões de assinantes pagos globalmente no último mês, muito acima da média estimada por especialistas, que projetavam aumento de quase 8 milhões, segundo a empresa de pesquisas FactSet. Isso explica a alta de 35% nas ações da companhia americana desde o início do ano.
 
A Netflix justifica que a maioria dos novos assinantes veio da América Latina, com 2,9 milhões de usuários. A empresa também destaca que, apesar do impressionante aumento na quantidade de novos clientes, teve a receita afetada pela valorização do dólar. No Brasil, por exemplo, a perda foi de 25%. Os R$ 33 da assinatura básica, que valiam US$ 8,50 há um ano, equivalem hoje a US$ 6,50.

Surpresa


Na avaliação de analistas do setor de tecnologia, as assinaturas de serviços de streaming seriam entre os primeiros itens cortados por pessoas em meio a uma onda de demissões e temores de uma recessão econômica por causa da pandemia. Mas a Netflix disse que espera adicionar 7,5 milhões de assinantes pagos globalmente no segundo trimestre, em relação às estimativas de analistas de 3,81 milhões, de acordo com FactSet.
 
No primeiro trimestre, a Netflix cresceu em 3,6 milhões o número de assinantes na Ásia-Pacífico, sua região de crescimento mais rápido. Na América Latina foram 2 milhões de novas assinaturas. A receita total da Netflix aumentou para US$ 5,77 bilhões (R$ 30,5 bilhões), ante US$ 4,52 bilhões (R$ 23,9 bilhões) no trimestre anterior. Os analistas esperavam, em média, US$ 5,76 bilhões (R$ 30,4 bilhões), segundo dados do IBES do Refinitiv.

Áudio


A pandemia também soa como música aos ouvidos das empresas de streaming de áudio. De acordo com a maior do setor no mundo, a Spotify, alguns estilos tiveram aumento de 54% no aplicativo, especialmente flashbacks das décadas de 1980 e 1990, transformando a experiência em um #TBT diário – sigla para throwback thursday, em inglês, utilizada às quintas-feiras nas redes sociais para relembrar momentos do passado. No Brasil, artistas como Legião Urbana, Queen, Lulu Santos, Guns n’ Roses e Djavan tiveram um aumento significativo de execuções na semana de 1º a dia 7 deste mês. A playlist com sucessos de outras épocas mais seguida do Spotify é a “All Out 00s”, com mais de 8,1 milhões de seguidores, seguida por “All Out 80s”, com mais de 7,1 milhões de seguidores. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade