Publicidade

Estado de Minas PRIVATIZAÇÕES

BNDES acredita em 'apetite de investidores' no pós-crise e mantém agenda de privatizações

Presidente da entidade, Gustavo Montezano disse que o BNDES tem se concentrado no enfrentamento à crise


postado em 19/04/2020 18:36 / atualizado em 19/04/2020 19:45

Presidente do BNDES participou, neste domingo, de videoconferência promovida pelo Itaú BBA.(foto: Valter Campanato/Agência Brasi)
Presidente do BNDES participou, neste domingo, de videoconferência promovida pelo Itaú BBA. (foto: Valter Campanato/Agência Brasi)
O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, acredita que, passada a crise, o setor de infraestrutura ganhe mais relevância e volte a atrair investimentos. Está mantida, portanto, a agenda de privatizações, como da Eletrobras e Correios. Da mesma forma, o cronograma de venda de estatais de saneamento básico, que está em andamento nos Estados do Acre, Alagoas, Amapá e Rio de Janeiro. "Haverá, sim, apetite de investidores para infraestrutura no pós-crise", disse Montezano, acrescentando que não é possível, porém, calcular o "grau do apetite", diante da retração da riqueza no mundo.

Para fazer frente aos desafios, o BNDES vai se concentrar nas ações de enfrentamento à crise. Com isso, sua atuação como credor deverá sofrer transformações, disse Montezano. A estratégia é segurar o caixa, reter liquidez, para atuar no que chamou de "segunda onda", de reconstrução da economia. Segundo ele, não está em discussão nenhum repagamento ao Tesouro Nacional.

"Assim que o mercado tiver um horizonte mais claro, vamos voltar à nossa agenda", acrescentou.

Esforços fiscais

Em teleconferência promovida pelo Itaú BBA, Montezano detalhou o esforço fiscal da instituição para contribuir com o enfrentamento da crise. Segundo ele, o esforço atualmente está nos setores aéreo, automotivo, varejo (excluído o segmento de alimentação), e elétrico. "Acho que estamos fazendo melhor uso possível do recurso público para crise", afirmou.


A intenção é liquidar operações para os setores considerados prioritários em maio. O banco ainda avalia incluir novos setores na lista de prioridades. Está sendo avaliada a inclusão de grandes empresas com relevância na economia, que estejam sendo afetadas pela crise. 

O setor de saúde, apesar de estar sendo "sobredemandado", de acordo com Montezano, deve precisar de ajuda após a crise. 

O presidente do BNDES destacou, ainda, o sucesso no financiamento de folhas de pagamento de empresas que tenham faturamento de R$ 360 mil a R$ 10 milhões. A estratégia tem a função de dividir o risco entre a iniciativa pública e privada. 

Está em discussão, também, a adoção de linhas de microcrédito para companhias com faturamento inferior a R$ 360 mil. "O combate à crise é dinâmico. Acompanhamos a evolução e tudo pode mudar", afirmou. 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade