Publicidade

Estado de Minas COMBUSTíVEIS

Gasolina barateia em BH, mas diferença passa de 13%

Preço do litro varia de R$ 4,497 a R$ 5,099, dependendo da revenda, segundo pesquisa. Etanol é encontrado de R$ 3,144 a R$ 3,699, o que exige atenção redobrada dos motoristas


postado em 18/02/2020 04:00 / atualizado em 18/02/2020 09:03






Parcela da redução dos preços da gasolina nas refinarias, enfim, chegou aos postos de Belo Horizonte e entorno neste mês. O preço médio do combustível na capital caiu 1,25% em relação a 17 de janeiro. O litro do combustível barateou de R$ 4,721 para R$ 4,662, em média, no período, segundo levantamento feito pelo site de pesquisas Mercado Mineiro, e realizado entre os dias 12 e 14 em 133 postos da Grande BH.

O coordenador do site, Feliciano Abreu, afirma que a queda no preço da gasolina já era esperada, uma vez que houve repasse de redução aplicada pela Petrobras junto das refinarias. “A queda foi repassada ao longo do tempo. Não sei se chegou na integralidade como deveria. Mas está dentro do contexto”, observa.

Abreu aponta que a discussão sobre a cobrança do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre combustíveis, que opôs o presidente Jair Bolsonaro aos governadores neste mês, pode ter contribuído para a queda nos preços. “Veio a público essa questão, de quanto pesa a carga tributária nos combustíveis. Pode ter influenciado tanto na redução do consumo como também na redução de preço, porque o consumidor ficou mais atento e pesquisou mais”, diz.

Por outro lado, Abreu entende que a greve dos petroleiros – em 17º dia – não afetou na precificação dos combustíveis na Grande BH. O coordenador do site Mercado Mineiro afirma que se a paralisação tivesse afetado, a pesquisa teria verificado aumento nos preços, e não o contrário.
 
 
Queda nas bombas é reflexo do repasse de reduções pela Petrobras, que só agora chegam(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 3/9/18)
Queda nas bombas é reflexo do repasse de reduções pela Petrobras, que só agora chegam (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 3/9/18)
 
 
A pesquisa ainda verificou que o menor preço médio da gasolina está na Região Leste de BH: R$ 4,58 por litro. O maior gasto foi observado na Região Centro-Sul, de R$ 4,75, em média. A variação de preços entre os postos da capital que participaram do levantamento foi de 13,39%. De acordo com o site, o consumidor de Belo Horizonte encontra o litro de gasolina custando desde R$ 4,497 a R$ 5,099. Já em Betim, o preço médio do litro da gasolina é R$ 4,69, enquanto em Contagem é de R$ 4,60.

Ainda de acordo com a pesquisa do site Mercado Mineiro, o preço médio do litro de etanol subiu 0,34% entre janeiro e fevereiro. Em um mês, o preço médio do combustível saiu de R$ 3,258 para R$ 3,269. Segundo Feliciano Abreu, a variação no preço do álcool representa estabilidade e é uma boa notícia, já que o custo do combustível verde vinha aumentando nos últimos meses. Porém, Abreu acredita que não é possível indicar um único motivo para essa variação. “A gente não sabe se é devido à antecipação da safra ou à queda no consumo em virtude da gasolina ter caído de preço”, analisa

Assim como para a gasolina, o menor preço do litro do álcool em BH foi encontrado na Região Leste, por R$ 3,21. Já a Região do Barreiro registrou o maior preço médio: R$ 3,35. Entre os postos, o levantamento catalogou preços desde R$ 3,144 a R$ 3,699. Ou seja, a diferença alcançou 17,65%. De acordo com a pesquisa, em Betim o litro de álcool custa em média R$ 3,273, ante R$ 3,241 em Contagem.

Levando em consideração os custos médios de abastecer com gasolina e etanol em fevereiro, o site de pesquisas concluiu que o motorista de Belo Horizonte pode escolher entre os combustíveis, sem muita diferença. Isso porque o preço médio do litro do álcool – R$ 3,269 – atingiu os 70% que servem de referência de comparação com o preço médio da gasolina – R$ 4,662. “Depende muito do que o consumidor quer, porque ele estará com as duas opções com a mesma viabilidade. O álcool está no limite de se tornar inviável”, afirma Feliciano Abreu.

Diesel 

A pesquisa também monitorou a variação do preço médio do litro de diesel. Segundo o levantamento, o preço médio do diesel S-10 caiu 1,83% em fevereiro em relação a janeiro. A média de preço no mês passado era R$ 3,993, e caiu para R$ 3,920 este mês. Na avaliação de Feliciano Abreu, a queda também se explica por uma redução promovida pela Petrobras. Entre os postos pesquisados, o preço variou entre R$ 3,67 a R$ 4,299, elevação de 17%.

*Estagiário sob supervisão da subeditora Marta Vieira



Greve ilegal


O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra considerou ilegal e abusiva a greve dos petroleiros, iniciada no primeiro dia deste mês, e liberou a Petrobras a aplicar “eventuais sanções disciplinares”. A decisão liberada ontem atende pedido da direção da estatal, com o argumento de que os grevistas não estão cumprindo determinação judicial anterior de que mantenham um contingente mínimo de 90% nas unidades operacionais. Em sua decisão, o ministro afirma que a paralisação liderada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) “tem motivação política, e desrespeita ostensivamente a lei de greve e as ordens judiciais de atendimento às necessidades inadiáveis da população em seus percentuais mínimos de manutenção de trabalhadores em atividade”. O ministro ainda manteve a cobrança de multas diárias de R$ 250 mil a R$ 500 mil aos sindicatos envolvidos na paralisação. Os valores variam de acordo com o porte das entidades. A Petrobras afirmou ter notificado as entidades sindicais da decisão do TST e acrescentou que “aguarda que todos os empregados retornem às suas atribuições imediatamente”. A empresa também reiterou que a paralisação não interferiu na sua produção.


Publicidade