Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Queda da indústria elimina parte da alta de 2,2% acumulada nos 3 meses anteriores


postado em 09/01/2020 10:21

A queda de 1,2% na produção industrial em novembro ante outubro fez o setor perder parte da alta de 2,2% acumulada durante uma sequência de três meses consecutivos de avanços, de agosto a outubro. Os resultados são da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A perda industrial em novembro foi a mais intensa desde março de 2019, quando a produção encolheu 1,4%.

"(A taxa de) novembro não só interrompe uma sequência de altas que não era vista desde o final de 2017, como elimina também uma parte importante daquele ganho acumulado nos três meses anteriores", ressaltou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Revisões

O IBGE informou que revisou o resultado da produção industrial em setembro ante agosto, de uma alta de 0,3% para aumento de 0,2%. A taxa de agosto ante julho saiu de 1,3% para 1,2%. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física.

Na categoria de bens de capital, a taxa de outubro ante setembro passou de queda de 0,3% para aumento de 0,4%, enquanto o resultado de agosto ante julho saiu de 0,1% para 0,0%.

Os bens intermediários tiveram o desempenho de outubro ante setembro revisto de 0,3% para 0,1%; a taxa de setembro ante agosto passou de 0,2% para 0,1%, e o resultado de agosto ante julho saiu de saiu de 1,6% para 1,5%.

A taxa dos bens de consumo duráveis em setembro ante agosto foi revista de 2,8% para 2,6%, enquanto a de agosto ante julho passou de -1,0% para -1,4%.

O desempenho dos bens de consumo semi e não duráveis em outubro ante setembro passou de 1,0% para 1,1%.


Publicidade