Publicidade

Estado de Minas EDUCAçãO E DESENVOLVIMENTO

Jovens alunos propõem soluções antenadas para a economia

Em sua 31ª edição, o Prêmio Minas de Economia reconhece monografias dos cursos de ensino superior de Economia, para resolver questões como escassez de emprego, emissão de gases e diversidade da produção


postado em 28/11/2019 18:14 / atualizado em 28/11/2019 18:50

O presidente do BDMG, Sergio Gusmão, entrega o certificado de premiação ao estudante do curso superior de Economia da UFMG Arthur Ribeiro Queiroz(foto: BDMG/Divulgação )
O presidente do BDMG, Sergio Gusmão, entrega o certificado de premiação ao estudante do curso superior de Economia da UFMG Arthur Ribeiro Queiroz (foto: BDMG/Divulgação )
Propostas de solução de problemas enfrentados, hoje, pela economia brasileira, como a escassez de emprego, a necessidade de diversificação da produção do país, redução da emissão de gases e a os efeitos da eventual redução de impostos sobre o consumo foram as vencedoras do 31º Prêmio Minas de Economia. A iniciativa reconhece todos os anos as três melhores monografias de conclusão de curso das faculdades de Economia de Minas Gerais.

 

O prêmio é uma promoção conjunta do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e do Conselho Regional de Economia (Corecon-MG). A melhor monografia foi a de Arthur Ribeiro Queiroz, 23 anos, que vai se formar este ano no curso de Economia da UFMG. No texto que escreveu – “Estratégia de Diversificação Produtiva: uma proposta para aumentar a complexidade econômica dos estados brasileiros” – Queiroz simula o acréscimo no número de emprego dos estados se estes passassem a produzir competitivamente nas atividades identificadas como promissoras.

 

A ferramenta pode orientar uma política desenvolvimentista voltada a atividades mais próximas às estruturas produtivas locais. Arthur recebeu prêmio de R$ 10 mil pelo primeiro lugar. “Na monografia, proponho usar como metodologia para detectar a complexidade econômica pelo cálculo do emprego por região”, resume o economista, que fez estágio no BDMG em 2017 e 2018.

 

O 2º lugar foi conquistado por Vitória Ferreira de Vasconcelos, 23 anos, que se formou em junho deste ano, em Economia, pela UFMG. Ela recebeu R$ 6 mil pelo estudo “Intensidade de emissões de CO2 na economia mineira e opções de mitigação: uma análise regional de insumo-produto”. “No meu trabalho monografia, a proposta é de medição por setor a partir de emissão de carbono no estado”, relata Vitória. Emissão de CO2.

 

Já o 3º lugar foi conquistado por Gabrielly Ramalho Ferreira, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com a monografia “A redução do IPI estimula o acesso a bens?: uma investigação acerca da relação entre a política de redução do IPI e o acesso a automóveis e bens de linha branca”. Ela levou o prêmio de R$ 3 mil. A menção honrosa foi concedida a Dalmo Abrantes, também da UFJF, autor da monografia sobre “Determinantes regionais do escorpionismo no Brasil”. O trabalho utiliza métodos aprendidos na faculdade para ajudar a solucionar um problema de saúde pública.

 

A primeira etapa do prêmio ocorre dentro da própria faculdade, que seleciona até três monografias e envia ao Corecon-MG. O conselho nomeia uma comissão julgadora, formada por três professores universitários com doutorado escolhidos pelo conselho. Para garantir o sigilo do processo, os autores adotaram pseudônimos ao assinar suas teses e o nome da instituição de ensino a que pertencem também é ocultado. Neste ano, 22 trabalhos foram enviados por nove faculdades.


Publicidade