Publicidade

Estado de Minas

Presidente do BC diz que inflação está baixa e pede investimento privado

Em participação em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, o presidente do Banco Central, citou que, no Brasil, há o efeito da estratégia do governo de estimular os investimentos privados, em vez dos públicos


postado em 19/11/2019 14:18

Para Campos Neto os investimentos públicos, sozinhos, são ineficientes(foto: José Cruz/Agência Brasil)
Para Campos Neto os investimentos públicos, sozinhos, são ineficientes (foto: José Cruz/Agência Brasil)
Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, nesta terça-feira (19/11), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que a inflação está baixa e estável a curto prazo. Quase um mês após comparecer à Comissão de Finanças da Câmara, onde disse que a ideia do BC é redesenhar os juros do cheque especial, Roberto Campos fortaleceu o projeto.

"A inflação está bastante baixa e bastante estável tanto no curto, quanto no médio e a longo prazo'', disse. Campos Neto salientou que a inflação baixou em todo mundo e citou que, no Brasil, há o efeito da estratégia do governo de estimular os investimentos privados, em vez dos públicos, e de ajuste nas contas públicas.

O presidente do BC disse que "o Brasil está se reinventando" com dinheiro privado e que o mercado finalmente compreende que o governo tem um programa fiscal sério que vai trazer "equilíbrio às contas públicas".

Campos Neto disse que os investimentos públicos, sozinhos, são ineficientes. "O dinheiro público como máquina de crescimento bateu no muro", afirmou aos senadores.

Sobre o cheque especial, tratado em audiência pública na Câmara, o economista reafirmou o projeto para fazer mudanças nos juros do cheque especial, que considera "um produto muito agressivo", com peso maior de juros sobre os mais pobres.
Nos próximos dias, garantiu Campos Neto, será lançado um mutirão de renegociação de dívidas nos bancos. O presidente da autoridade monetária lembrou que está articulando a abertura de agencias bancárias aos sábados ou após o horário normal de funcionamento para quem quiser renegociar dívidas. 


Publicidade