Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

CVM edita normas para publicidade de analistas e veda garantia de rentabilidade


postado em 14/06/2019 15:56 / atualizado em 14/06/2019 19:12

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou nesta sexta-feira, 14, orientações sobre comunicações institucionais e publicitárias sobre a prestação do serviço de analista de valores mobiliários. As orientações vedam, por exemplo, a garantia de rentabilidade de qualquer espécie e lembram que as propagandas devem adotar "linguagem serena e moderada" prevista na regulação.

O documento (Ofício Circular CVM/SIN 6/19) é resultado de questionamentos feitos por participantes do mercado financeiro após casos de veiculação de publicidades e apresenta esclarecimentos sobre a melhor forma de cumprir os dispositivos da Instrução CVM 598, editada no ano passado sobre a atividade de analista, inclusive prevendo penalidades. "A observação às recomendações contribuirá para minimizar eventuais cometimentos de desvios e conscientizar os participantes para a adequada forma de comunicação com o público acerca da atividade de prestação de serviço de analista de valores mobiliários", destaca o texto.

Marketing

De acordo com o Ofício, serão consideradas regulares as campanhas de marketing divulgadas ao mercado por analistas que demonstrem se tratar da opinião do autor, vedadas garantias de retorno financeiro de qualquer espécie.

Também serão consideradas regulares as que estejam acompanhadas de disclaimers (isenção de responsabilidade) acerca dos riscos relacionados ao investimento abordado, evidenciando que retornos passados não são garantia de retorno futuro; investimentos envolvem riscos e podem ensejar perdas, inclusive da totalidade do capital investido; e porcentuais prospectivos refletem apenas a opinião do autor, com base em informações disponíveis à época e consideradas confiáveis.

Além disso, são entendidas como regulares as campanhas que contenham linguagem que demonstre se tratar de uma possibilidade de retorno. Exemplos de termos que conferem essa conotação são "pode", "possível", "possibilidade", "projetado", "potencial", entre outros. E ainda se fizerem menção de fatos passados passíveis de demonstração, deixem claro que isso não representa a garantia de qualquer retorno futuro específico.

Em nota, a Empiricus afirmou que recebu com “entusiasmo” a decisão da comissão. “A empresa manifesta publicamente seu apoio e respeito ao esforço da autarquia para tornar mais concretas as regras sobre marketing. Parâmetros mais claros sobre a linguagem permitida nas peças publicitárias trazem segurança ao mercado de conteúdo sobre investimentos, o que está em linha com o propósito de democratizar o acesso ao mercado de capitais e promover a educação financeira no país”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade