Publicidade

Estado de Minas

Meirelles negociou nos EUA permanência da GM no Brasil

Ele também contou como agiu para evitar que a americana General Motors fechasse as fábricas de São Paulo


postado em 28/03/2019 06:00 / atualizado em 28/03/2019 08:58

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Os empresários e executivos que acompanharam ontem uma palestra do secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, viram alguém bem diferente do candidato tenso e cabisbaixo que disputou a Presidência pelo MDB. Meirelles falou com desenvoltura de privatizações, investimentos em infraestrutura, reforma da Previdência e pretensões eleitorais – e até fez piada com o seu recente sumiço das redes sociais. “Não tenho ido muito ao Twitter porque preciso trabalhar”, disse. Ele também contou como agiu para evitar que a americana General Motors fechasse as fábricas de São Paulo. Meirelles estava em Miami, nos Estados Unidos, quando soube das intenções da empresa. Ele então telefonou para um executivo que havia atuado na GM brasileira, que aceitou encontrá-lo para discutir os termos de um acordo capaz de manter a montadora no Brasil. Como se sabe, a GM desistiu da ideia de deixar o país.

Mesmo na crise, brasileiros viajaram mais


Na crise, o brasileiro não deixou de viajar, mas ajustou o roteiro ao bolso. Em 2018, 64% das pessoas compraram pacotes a prazo, em mais de cinco parcelas, segundo o Anuário Braztoa 2019, o mais recente estudo da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo, que representa 90% das viagens de lazer vendidas no país. O número de embarques de passageiros atingiu a marca de 6,5 milhões, crescimento de 17% sobre os 5,5 milhões de 2017.

R$ 90 milhões  é quanto a construtora Vitacon vai investir em marketing em 2019. Segundo a empresa, o aporte reflete a confiança na retomada do mercado imobiliário

"Os encargos trabalhistas são uma arma de destruição em massa
de empregos”

. Paulo Guedes, ministro da Economia

OLX de olho no Minha casa, minha vida

O site de classificados OLX vai ampliar sua atuação no segmento de imóveis. Há alguns dias, lançou uma área especial para ofertas de imóveis do programa federal Minha casa, minha vida. O projeto conta com a parceria de seis incorporadoras: Atua, Cury, Econ, MRV, Plano&Plano e Vivaz. Todos os meses, a plataforma recebe 11 milhões de usuários únicos interessados em comprar a casa própria. Segundo a OLX, a ideia é fisgar esse público com conteúdo próprio e simuladores de financiamento.

Fintech avança com empréstimos entre pessoas
A fintech brasileira Mutual, que viabiliza o empréstimo entre pessoas (chamado de P2P Lending), está em franca expansão. Operando desde fevereiro de 2018, a startup atingiu, neste mês de março, a marca de R$ 4 milhões de empréstimos concedidos em sua plataforma. Atualmente, conta com 168 mil clientes ativos (32 mil investidores e 136 mil tomadores). Para quem empresta, a rentabilidade anual pode chegar a 23,5% (ou 400% do CDI), já descontando o risco de inadimplência.

RAPIDINHAS

Uma curiosa pesquisa realizada pela London Business School constatou que a felicidade dos empregados pode, sim, gerar resultados financeiros. As ações das companhias que frequentam rankings das melhores empresas para trabalhar cresceram, nas duas últimas décadas, 3% acima da média do mercado.

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica vai pressionar o governo para que a fonte solar fotovoltaica seja incluída no leilão de energia Nova A-6, previsto para setembro deste ano. “A inclusão estimula a redução de preço ao cidadão e aumenta a segurança energética ao país”, afirma Ricardo Barros, vice-presidente da associação.

A nova Lei Geral de Proteção de Dados – prevista para entrar em vigor em agosto de 2020 – deverá impor uma série de desafios às empresas brasileiras. Para debater o assunto, o advogado Fernando Santiago, representante do país na francesa Commission Nationale de l’Information et des Libertés, estará hoje na Faculdade IBS/Fundação Getulio Vargas, em Belo Horizonte.

Um empresário do setor varejista que apoiou Jair Bolsonaro na campanha diz que a maior surpresa deste governo não é o destempero do presidente nas redes sociais, mas a tranquilidade do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Eu não conhecia a versão paz e amor de Guedes”, diz o empresário.

 


Publicidade