Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Presidente da CUT se reúne com Mourão e critica reforma da Previdência


postado em 07/02/2019 13:37

Após ser recebido pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, afirmou que vai realizar uma assembleia nacional, no próximo dia 20, a fim de organizar os trabalhadores para a "resistência" da reforma da Previdência. Ele considera que o texto preliminar da proposta, revelado pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), retira direitos.

Em novembro, durante ato a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Freitas disse que o presidente Jair Bolsonaro foi eleito com menos de 30% dos votos do povo brasileiro e que a CUT não o reconhecia como presidente da República. Um mês depois, voltou atrás e disse que Bolsonaro foi eleito por 57 milhões de pessoas e que a CUT iria procurar o governo para negociar os interesses dos trabalhadores.

Nesta quinta-feira, 7, segundo o presidente da CUT, Mourão evitou entrar no mérito dos termos da reforma da Previdência e sugeriu que o debate deve ser feito no Congresso Nacional. A reunião foi solicitada pela CUT e pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC quando Mourão estava interinamente na Presidência da República, mas acabou adiada para esta semana.

"Viemos perguntar qual é, de fato, a proposta do governo. Toda vez tem uma notícia diferente. Se a proposta é de capitalização, não temos concordância sobre isso. E, se é essa a proposta, tem que ser levada para ser discutida com a sociedade", disse o presidente da CUT.

Para Freitas, o regime de capitalização favorece o capital financeiro nacional e internacional e impede que o trabalhador receba aposentadoria e benefícios de assistência social. "Da forma que está sendo colocada (a reforma), retira direitos."

A capitalização é uma espécie de poupança que o trabalhador faz para garantir a aposentadoria no futuro, na qual o dinheiro é investido individualmente. O modelo atual é o de repartição, no qual quem contribui paga os benefícios de quem já está aposentado.

Freitas também disse que não concorda com a ideia da carteira de trabalho verde e amarela, proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. "Uma coisa é emprego, outra é bico, não vamos confundir", criticou.


Publicidade