Publicidade

Estado de Minas

Pressionada, GM ameaça deixar o Brasil e chama sindicato para reunião

Entidades sindicais dos trabalhadores contestam pressão da empresa por mais sacrifícios no chão de fábrica. Montadora alega dificuldades e acena com corte de pessoal e de custos


postado em 22/01/2019 06:00 / atualizado em 22/01/2019 10:17

Pátio da GM em São Caetano do Sul: empresa considera desafiadores os mercados do Brasil e da Argentina(foto: Sebastião Moreira/AE %u2013 6/8/02 )
Pátio da GM em São Caetano do Sul: empresa considera desafiadores os mercados do Brasil e da Argentina (foto: Sebastião Moreira/AE %u2013 6/8/02 )

São Paulo – Os principais executivos da montadora americana General Motors (GM) se reunirão, hoje, a portas fechadas com sindicalistas e representantes do poder público no centro administrativo da companhia, em São Paulo, para negociação que promete ser tensa. De um lado, a companhia apresentará agressivo plano de reestruturação da empresa no país, com corte de mais de 20% da mão de obra e diminuição geral de custos, além da possibilidade de fechamento de unidades.

De outro lado, representantes dos funcionários tentarão desconstruir os argumentos que a montadora estaria usando para deixar o mercado brasileiro. Participam do encontro políticos, como o prefeito de São Caetano do Sul (SP), José Auricchio Júnior (PSDB), que promete tentar acalmar os ânimos e evitar um confronto que termine em greve. “Agora é hora de encontrarmos, juntos, alternativas e soluções para que uma empresa de porte global, como a GM, permaneça no país, gerando emprego e riqueza”, disse.

No entanto, o clima não deve ser nada ameno. Na sexta-feira, funcionários da General Motors no Brasil foram surpreendidos por e-mail enviado pela diretoria da empresa que tratava sobre a possibilidade de encerrar as operações na América do Sul. No comunicado, direcionado aos empregados da montadora, o presidente da GM Mercosul, Carlos Zarlenga, alega que a companhia tem feito o que pode para se reestruturar.

“A GM no Brasil teve um prejuízo agregado significativo no período de 2016 a 2018, que não pode se repetir”, disse parte do texto enviado aos funcionários. “O ano de 2019 será decisivo para nossa história e precisaremos do sacrifício de todos.” A empresa mantém 8 mil empregados apenas no ABC paulista.

O problema é que a ameaça da GM, líder em vendas no mercado brasileiro e dona do modelo mais vendido no país, o Onix, é vista como um blefe por sindicalistas e funcionários. “É uma piada de mau gosto atribuir a nós, funcionários, a responsabilidade por uma gestão que trouxe resultados, com lançamento de modelos que não conseguem rentabilizar a matriz”, disse um diretor da GM em São Caetano do Sul, que pediu para não ter o nome relevado. “Querem colocar o bode na sala para que aceitemos qualquer proposta para que eles fiquem no Brasil.”

O texto que trata das dificuldades da montadora não foi assinado apenas por Zarlenga. Há dois meses, a presidente global da montadora, Mary Barra, afirmou, durante entrevista em Detroit (EUA), que a empresa cogita sair da América do Sul. “O Brasil e a Argentina, os maiores mercados sul-americanos da GM, continuam se mostrando ‘desafiadores’ para nós”, disse a executiva.

Como contra-ataque, o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), ligada à Força Sindical, Miguel Torres, parece já estar se preparando para um embate. “Não faz sentido uma empresa líder em vendas na região, com lucro mundial de mais de US$ 2,5 bilhões, o equivalente a R$ 10 bilhões, afirmar que a situação é crítica e que pode deixar o país”, disse Torres. Para ele, a montadora está aproveitando o movimento de enxugamento de custos que conduz em todo o mundo, com demissões e fechamento de fábricas nos Estados Unidos e Canadá, para promover forte reestruturação também no Brasil.

Protesto

Em nota divulgada ontem, assinada por entidades sindicais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Central Sindical e Popular Conlutas, sindicalistas afirmam repudiar a possibilidade de paralisação da produção no Brasil e na América Latina. Eles protestam também contra a exigência de mais sacrifícios dos trabalhadores, como diz o comunicado da empresa, “já que foram feitas várias concessões à GM e a empresa sempre querendo mais.” “Não aceitamos que a situação seja utilizada para reduzir mais direitos, nem demissões ou o fechamento de fábricas. Defendemos os empregos e queremos estabilidade.”

Pessoal

8 mil
Número de empregados da GM no ABC paulista

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade