Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Quedas dos preços de soja e gasolina foram principais influências no IGP-M


postado em 29/11/2018 11:37

As principais influências de queda sobre o desempenho do Índice de Preços do Produtor Amplo (IPA), com deflação de 0,81%, no âmbito do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), partiram de três itens de alimentação e dois itens de energia, aponta a Fundação Getulio Vargas (FGV. O primeiro destaque é a soja em grão, cuja taxa passou de alta de 0,43% para retração de 6,24%. Logo na sequência, aparece a gasolina, item que apresentou expressiva deflação de 17,64% em novembro, após alta de 1,79% no mês anterior.

A terceira principal influência de queda foi o óleo diesel, que teve retração de 6,39% ante alta de 5,90%. A lista segue com milho em grão (de -5,47% para -7,66%) e leite in natura (de -3,20% para -5,37%).

Em contrapartida, os itens de maior influência de alta foram: minério de ferro (de -0,85% para 5,95%), açúcar VHP (de 3,89% para 11,47%), Mandioca (de -0,25% para 8,81%), tomate (de 92,94% para 34,44%) e querosene de aviação (de -0,32% para 10,27%).

Bens finais

O grupo de preços Bens Finais aferido pelo IGP-M reverteu a alta registrada em outubro, 1,15%, e apresentou queda de 0,84% em novembro, revelou a FGV. O movimento teve como principal fator de influência o comportamento do subgrupo Combustíveis e Lubrificantes, cuja taxa apresentou expressiva deflação de 12,43% após alta de 2,08% no décimo mês do ano.

O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, desacelerou de 0,94% para 0,13% em novembro.

Ao mesmo tempo, os Bens Intermediários tiveram deflação de 0,55% em novembro, após alta de 2,05% em outubro. Neste indicador, o subgrupo Combustíveis e Lubrificantes para a Produção retraiu 3,01% ante alta de 5,97% no mês anterior.

Já as Matérias-Primas Brutas aprofundaram a queda de 0,11% registrada em outubro e atingiram -1,11% em novembro. Os itens que mais influenciaram o movimento foram: soja em grão (0,43% para -6,24%), aves (2,48% para -4,96%) e bovinos (2,49% para -0,87%). Por outro lado, aceleraram os preços: minério de ferro (-0,85% para 5,95%), mandioca (-0,25% para 8,81%) e café em grão (0,50% para 4,71%).

IPC

No Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que registrou modesta alta de 0,09% em novembro, as principais influências de baixa foram: tarifa de eletricidade residencial (de -0,48% para -4,18%), Leite tipo longa vida (de 2,08% para -6,74%), gasolina (de 3,49% para -1,10%), Condomínio residencial (de -0,10% para -1,07%) e tarifa de ônibus urbano (de -0,05% para -0,32%).

Por outro lado, as maiores influências de alta foram: tomate (de 45,73% para 44,58%), Plano e seguro de saúde (de 0,65% para 0,66%), batata-inglesa (de 10,95% para 18,38%), cebola (de -9,61% para 32,36%) e passagem aérea (de 8,46% para 5,55%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade