Publicidade

Estado de Minas

O plano de R$ 1 bilhão da Toyota

A Toyota foi a montadora que menos caiu durante da crise, o que foi fundamental para reforçar seus planos de investimentos para o país


postado em 20/09/2018 06:00 / atualizado em 20/09/2018 08:48

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

A montadora japonesa Toyota vai anunciar, no próximo dia 28, investimentos que devem superar R$ 1 bilhão no país. A data celebrará o aniversário de 20 anos da fábrica de Indaiatuba (foto), no interior de São Paulo, onde são produzidos os modelos Corolla. O novo ciclo de investimentos é motivado pelas perspectivas de recuperação do setor automotivo nos próximos anos. Vale lembrar que a Toyota foi a montadora que menos caiu durante da crise, o que foi fundamental para reforçar seus planos de investimentos para o país. Até 2022, o setor prevê uma avalanche de recursos para o mercado brasileiro. Eles deverão chegar a quase US$ 40 bilhões, que serão desembolsados principalmente por nove montadoras: Caoa-Chery, GM, Toyota, Volkswagen Iveco, Man Latin America, Mercedes-Benz, Scania e Volvo. Segundo as empresas, os recursos serão aplicados no desen volvimento de veículos e modernização de fábricas, que precisam se adequar à indústria 4.0

RAPIDINHAS

» O empresário Rocelo Lopes, CEO da corretora Stratum coinBR, calcula que vai alcançar seu primeiro bilhão em faturamento com o lançamento da Cointrade, plataforma para a transação de criptomoedas que vai funcionar em um modelo semelhante ao da Bolsa de Valores.

» Com a Cointrade, cresce o número de empreendimentos encabeçados por Lopes, que possui uma mineradora no Paraguai e empresas em Hong Kong e África do Sul. O empresário diz que até o final do ano mais duas companhias devem ser lançadas: a SmartPay, voltada para pagamentos com criptomoedas, e a 99x, outra plataforma para compra e venda de moedas virtuais.

» A disparada do dólar frente ao real nos últimos meses está gerando preocupação na maior empresa de entretenimento do mundo, a The Walt Disney Company. Com razão. A permanência da moeda americana no patamar acima de R$ 4 vai afetar as vendas de pacotes para os brasileiros.

» Desde janeiro, os ingressos para os quatro parques da empresa em Orlando, na Flórida (foto), subiram cerca de 30%, acompanhando a desvalorização do real. A empresa chegou a lançar promoções, como ingressos de seis dias pelo preço de quatro, mas as vendas não reagiram. Segundo um executivo do escritório no Brasil, novas promoções e redução de margens poderão ser analisadas.


 

4,1%

foi quanto cresceu o Indicador do Movimento do Comércio entre setembro de 2017 e gosto de 2018, segundo dados da oa Vista SCPC. O índice acompanha o desempenho das vendas no território nacional

"Não é barato fazer produtos inovadores"

. Tim Cook,  presidente da Apple, justificando os preços dos novos iPhone XS e XS Max, que custam até US$ 1.450 nos Estados Unidos. No Brasil, o preço dos aparelhos supera R$ 10 mil



30% dos trabalhadores sem plano de saúde

Levantamento realizado pela Ticket junto aos trabalhadores que utilizam seu benefício de alimentação e refeição chegou a uma conclusão surpreendente: 30% dos profissionais pesquisados não têm plano de saúde. Entre as empresas de pequeno porte (com até 100 funcionários) que responderam o questionário, quase metade não oferece assistência saúde. A razão: os altos custos. Trata-se da primeira pesquisa do gênero que a marca realiza.

Grupo SEB aposta em franquias

Braço de educação infantil do Grupo SEB, a Esfera Escola Internacional vai investir em uma nova estratégia de expansão: as franquias. Com a bandeira Sphere International School, a rede vai vender a imagem de ensino de excelência também para a educação infantil. Para os próximos cinco anos, a perspectiva é estar presente em 30 cidades brasileiras. As capitais e as principais regiões metropolitanas do país serão as primeiras a receber o novo modelo.

Crise derruba até venda de celulares

Pela primeira vez em cinco anos, as vendas de celulares caíram. No acumulado do primeiro semestre, foram comercializadas 24,1 milhões de unidades, o que representa uma queda de 3,7% em relação ao mesmo período de 2017, quando saíram das lojas 25 milhões de aparelhos. Os modelos de smartphones intermediários, com preços entre R$ 700 e R$ 1.099, são os preferidos dos brasileiros, com 5,5 milhões de unidades vendidas. Os dados são da IDC Brasil.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade