Publicidade

Estado de Minas

MERCADO S/A - Tempos cada vez mais difíceis para a Netflix


postado em 21/08/2018 06:00 / atualizado em 21/08/2018 08:10



Apesar de ser um fenômeno global, a Netflix ainda não traduziu o sucesso em performance financeira. Em busca de alternativas, a empresa lançou um novo recurso. Os apps do serviço de streaming agora mostram pequenos vídeos promocionais entre os episódios de séries. Quase sempre, os vídeos são propagandas de títulos disponíveis na Netflix, mas a ideia é vender publicidade para outras empresas. Mesmo em fase de testes, a iniciativa recebeu uma enxurrada de críticas nas redes sociais. Resultado: não é certo se o projeto continuará. A Netflix vive o período mais turbulento desde que foi criada, há 21 anos. No primeiro semestre, acumulou prejuízos de US$ 845 milhões, enquanto o número de assinantes cresceu abaixo do esperado. Para piorar, a concorrência está cada vez mais acirrada. Em 2018, os grandes estúdios americanos começaram a retirar seus filmes e séries do catálogo da plataforma para lançar serviços próprios. O futuro nunca foi tão desafiador para a marca.

Carro elétricos 1: a nova jogada de Ronaldinho Gaúcho
Na semana passada, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho informou que se tornou sócio da 5Xmais Holding Business, empresa que atua na área de inteligência artificial. Esta não deverá ser a única investida do craque na área de alta tecnologia. Ronaldinho, que recentemente lançou sua própria criptomoeda, avisou aos parceiros comerciais que pretende entrar na área de veículos elétricos e autônomos. A ideia é se tornar investidor anjo de companhias que atuam no segmento.

Carros elétricos 2: Chinese BYD vence licitação nos EUA
A montadora chinesa BYD está se tornando referência global em veículos elétricos. Há alguns dias, a empresa venceu licitação para fornecer ônibus movidos a eletricidade para a Prefeitura de Atlanta, nos Estados Unidos, cidade que definiu como meta reduzir suas emissões de poluentes em 20% até 2020 e 40% até 2030. A BYD já é fornecedora de carros elétricos para 40 empresas e instituições americanas, como Facebook, Stanford University e University of California (Ucla).

"Não fiz plano de carreira e não dou isso a meus funcionários. Gosto de estar em contato direto com todos, e não costumo dar nenhuma previsão de futuro para eles. Porque aí vejo quem realmente quer estar comigo ou não"

Anitta, a artista mais bem-sucedida do Brasil, em palestra sobre gestão de pessoas para um grupo de empresários

Novo nome para a rede Ale?

A mineradora suíça Glencore, que em junho pagou R$ 1,7 bilhão pela rede de postos de combustíveis Ale, começa a definir sua estratégia de negócios. Segundo um executivo que acompanhou a transação, a Glencore estuda mudar o nome da rede. Outra ideia é reduzir o número de postos para fortalecer a operação nos mercados mais rentáveis. A empresa tem 1,5 mil postos e 260 lojas de conveniência em 22 estados brasileiros.

US$ 815 milhões
é o volume total de investimentos feitos por empresas brasileiras no Paraguai em 2017, alta de quase 10% em relação ao ano anterior. Os setores mais procurados foram alimentação, construção civil e serviços financeiros

RAPIDINHAS

As empresas e entidades que utilizam ou prestam serviços no Porto de Santos prometem fazer barulho contra o aumento de 16,7% das tarifas portuárias. Na semana passada, encontro em São Paulo entre representantes do setor e a Agência Nacional de Transportes Aquaviárias (Antaq) terminou sob tensão. Novos encontros devem ocorrer nos próximos dias.
 
A busca por alimentos saudáveis é um caminho sem volta. Uma das maiores redes de supermercados do mundo, o francês Carrefour lançou seu plano de ação para os próximos quatro anos. Chamada de “Carrefour 2022”, a estratégia prevê, entre outros ajustes, o desenvolvimento de produtos locais e orgânicos.
 
A Lufthansa comemora neste mês 30 anos desde que uma mulher assumiu pela primeira vez a cabine de comando de uma aeronave da companhia. Apesar do avanço dos últimos anos, elas têm longo caminho pela frente. Apenas 6% dos 10 mil pilotos que trabalham no grupo Lufthansa são do sexo feminino.
 
A Laundromat, uma das maiores redes de lavanderias do país, encontrou um novo caminho para crescer: as lavanderias coletivas em condomínios residenciais. A empresa acaba de alcançar a marca de 200 condomínios atendidos no país. Vale lembrar que esse modelo de negócio é bastante difundido na Europa e nos Estados Unidos.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade