Publicidade

Estado de Minas

Whirpool recorre ao Cade contra venda da Braskem

Diz a Whirpool que a venda da Braskem pode levar a uma concentração de mercado


postado em 24/07/2018 06:00 / atualizado em 24/07/2018 08:11

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Sem alarde, a Whirpool enviou uma correspondência ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a possível venda do controle da Braskem para a LyondellBasell. No ofício, endereçado ao presidente do órgão, Alexandre Barreto de Souza, o vice-presidente da multinacional, Armando Ennes do Valle, apresenta a empresa como “genuína representante da indústria nacional” e pede “urgente atenção” sobre o início das negociações entre a Odebrecht, controladora da petroquímica, e a companhia holandesa. A dona das marcas Brastemp e Consul alerta que a Braskem é a única produtora nacional de resina de polipropileno, insumo usado na produção de refrigeradores, freezers e lavadoras. Além disso, diz a Whirpool, a venda da Braskem pode levar a uma concentração de mercado, agravando a situação para a linha branca. No ofício, a empresa declara que “vê com preocupação a operação, que pode ter efeitos extremamente negativos.” A próxima sessão de julgamento do Cade acontecerá em 8 de agosto.

RAPIDINHAS

» A crise tem estimulado o empreendedorismo. Em abril de 2018, nasceram 222.392 empresas no país, segundo dados da Serasa Experian. Trata-se do melhor resultado desde 2010, quando o levantamento começou a ser feito. Os microempreendedores individuais responderam por 80% das companhias criadas.

»
Ainda sobre empreendedorismo: uma pesquisa recente realizada pela Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) com mais de 5 mil participantes entre 18 e 35 anos mostrou quais são, para essa turma, os principais entraves brasileiros. Segundo os pesquisados, a alta carga tributária e a burocracia lideram a lista dos estorvos para empreender no país.
 
»
Os canais por assinatura perderam nos últimos 12 meses cerca de 800 mil clientes, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A situação não está fácil para as empresas do setor e, segundo especialistas, tende a piorar com o avanço dos serviços de streaming. Há no país 17,8 milhões de contratos de TV a cabo vigentes.
 
» Nos Estados Unidos, mercado que é parâmetro no mundo, o número de assinantes de serviços de streaming deverá ultrapassar neste ano o total de clientes de TVs por assinatura. Será a primeira vez que isso acontece. “Trata-se de um caminho irreversível”, diz Eduardo Tancinsky, consultor especializado em marcas e tecnologia.


Mais de R$ 300 milhões para combater estiagem

A longa estiagem no Sudeste e no Nordeste está atraindo investimentos em novas tecnologias para a produção de alimentos. No Vale do Rio São Francisco, a principal região exportadora de frutas do país, empresas como Special Fruit, JD e Queiroz Galvão negociam a compra de equipamentos israelenses voltados ao cultivo em regiões áridas. Mais de R$ 300 milhões serão gastos somente neste ano. A alemã Bayer está ajudando no processo, com suporte tecnológico e consultoria.

Paraguai larga na frente
A chinesa Morego Solar, uma das maiores fabricantes de placas fotovoltaicas do mundo, está em busca de um lugar ao sol no mercado latino-americano. Executivos da companhia negociam incentivos para a construção de uma fábrica e um grande centro de distribuição no Brasil ou no Paraguai. A companhia, sediada em Nanjing, na província de Jiangsu, acredita que conseguirá definir a estratégia para o mercado local até o fim deste ano. Por enquanto, os incentivos paraguaios estão mais atraentes. 

 

Na internet, ninguém rivaliza com Estados Unidos e China
Estados Unidos e China lideram a corrida tecnológica global e deixaram para trás países com forte tradição em inovação, como Japão e Coreia do Sul. Entre as 20 maiores empresas de internet do mundo, 12 são americanas e oito chinesas, segundo a Visual Capitalist. A lista é liderada pela Apple, com valor de mercado próximo a US$ 1 trilhão, seguida por Amazon e Alphabet. O chinês Alibaba aparece na sexta posição do ranking, avaliado em US$ 484 bilhões.

R$ 4 bilhões

 

é quanto a companhia aérea Avianca deverá faturar em 2018, segundo projeções da empresa. O número corresponde a um avanço de 20% em relação a 2017 e se deve ao bom desempenho das novas rotas internacionais, como Miami e Nova York.

 

"Muitas empresas não têm sucesso após um tempo. O que elas fundamentalmente fazem errado? Negligenciam o futuro”

 

.Larry Page, 
co-fundador do Google

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade