Publicidade

Estado de Minas

Investimentos da Vale atiçam briga entre governadores


postado em 17/07/2018 06:00 / atualizado em 17/07/2018 08:35

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)


Ano de eleição é tudo ou nada para quem quer garantir o próximo mandato. A briga, que quase sempre acontece apenas no próprio reduto eleitoral, desta vez cruzou as fronteiras estaduais. Em disputa, a atração de investimentos da Vale no setor ferroviário. A troca de flechadas envolve, de um lado, os governadores do Pará e Espírito Santo. De outro, os mandatários de Goiás e Mato Grosso. Isso porque o governo decidiu fechar com a Vale o acordo para a renovação automática da concessão das linhas férreas Carajás (entre Pará e Maranhão) e Vitória-Minas e exigir em troca o investimento de R$ 4 bilhões na Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), que ligará Goiás a Mato Grosso. Paulo Hartung (ES) e Simão Jatene (PA), governadores que tentam a reeleição, bateram o pé e exigem que o investimento não vá para Goiás. Parlamentares do Pará, por sua vez, defendem junto ao Palácio do Planalto que a contrapartida para a Vale seja a construção do traçado final da Ferrovia Norte-Sul.

País gasta R$ 10,7 bilhões com obras paradas
O Brasil pisou no freio. De acordo com números obtidos pela Confederação Nacional da Indústria junto ao Ministério do Planejamento, 2.796 obras estão paradas no país. Desse total, 517 são do setor de infraestrutura. A área de saneamento básico lidera o ranking, com 447 empreendimentos interrompidos. Na sequência, aparecem projetos de rodovias (30), aeroportos (16), mobilidade urbana (8), portos (6), ferrovias (5) e hidrovias (5). As obras paradas de infraestrutura já custaram R$ 10,7 bilhões.

"Dance com a sua própria música e assuma alguns riscos na vida. Só os homens que arriscam mudam o curso da história"
Mukesh Ambani, dono da Reliance Industries, maior empresa privada da Índia, e homem mais rico da Ásia

US$ 285 milhões
é quanto o boxeador americano Floyd Mayweather faturou entre 2017 e 2018, segundo ranking anual da revista Forbes. Mayweather lidera a lista, seguido pelo ator George Clooney (US$ 239 milhões) e pela personalidade da TV Kylie Jenner (US$ 166,5 milhões). Único brasileiro entre os 100, o jogador Neymar embolsou US$ 90 milhões, aparecendo na 13ª posição.

Novo programa de fidelidade ameaça gigantes do setor

O mercado de programas de fidelidade avança no país. Prova disso é a forte expansão dos novatos nesse segmento. Marcas como Méliuz e BeBlüe crescem a um ritmo acima de 100% ao ano com uma estratégia bastante difundida na Europa e nos Estados Unidos. Elas oferecem aos associados crédito em dinheiro. Funciona assim: ao fazer uma compra, parte do valor gasto é devolvido para a pessoa. Em sete anos de existência, a Méliuz retornou R$ 65 milhões aos clientes.

A virada da SKF
A matriz da multinacional sueca de autopeças SKF está empolgada com a recuperação da subsidiária brasileira. A operação local esteve em apuros durante a crise que atingiu o setor automobilístico, mas agora está conseguindo superar as metas de expansão de vendas e rentabilidade. Em recente reunião com executivos, em Gotemburgo, o CEO global Alrik Danielson, que já presidiu a SKF no Brasil, demonstrou confiança de que a unidade voltará a ser a mais rentável do mundo até 2020.

RAPIDINHAS

» Os ataques hackers não estão perdoando nem mesmo instituições religiosas. Ontem, o site MyHeritage, plataforma de pesquisa genealógica mantida com recursos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja Mórmon), reconheceu que teve 92,3 mil senhas e endereços de e-mails violados.
 
» A empresa, com sede em Israel e operações no estado americano de Utah, está tentando descobrir de onde partiu o ataque e como proteger parte das informações contidas no sistema. Por se tratar de um imenso banco de dados com registros pessoais de linhagens familiares, há o risco de os invasores usarem as informações para praticar crimes.
 
» A rede de drogarias Pacheco passou incólume pela recente crise no varejo. A empresa está ampliando sua capacidade de distribuição de medicamentos, com a certeza de que as vendas crescerão de forma robusta nos próximos anos. Nesta semana, a companhia abrirá seu novo CD em Irajá, no Rio de Janeiro, estado que concentra a maior parte das 470 unidades da rede.
 
» O executivo dinamarquês Jürgen Fischer, presidente da multinacional Danfoss Cooling, virá ao Brasil no começo de agosto para difundir novas tecnologias em eficiência energética. O executivo representará a Danfoss no Painel Global de Resfriamento para Todos, iniciativa da ONU ligada a soluções sustentáveis.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade