Publicidade

Estado de Minas

Não está claro se Brasil conseguirá nos substituir na soja para China, diz Ross


postado em 20/06/2018 11:54

São Paulo, 20 - O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, foi questionado nesta quarta-feira sobre a possibilidade de que seu país perca mercados, com sua postura de impor tarifas, que por sua vez resultam em retaliações. Durante audiência no Comitê de Finanças do Senado, Ross usou o caso das importações de soja americanas à China como exemplo para tratar dessa possibilidade. Segundo ele, o Brasil poderia elevar suas exportações do grão ao mercado chinês, para ganhar fatia de mercado, após as tarifas americanas e as retaliações chinesas recentes. Ross ponderou, porém, que o Brasil teria de elevar essas exportações de soja à China em 60%, para substituir a soja dos EUA, o que não está claro se o País conseguiria fazer, nessa proporção.

Apesar de ponderar sobre os riscos para as empresas dos EUA, Ross afirmou que ele e o presidente Donald Trump acreditam que é preciso haver uma ação firme. "Houve anos de diálogo sobre propriedade intelectual com a China, agora é hora de ação", argumentou. "Trump está muito confiante de que a pressão máxima resolverá os problemas no comércio."

Ainda segundo o secretário, o presidente americano acredita que a guerra comercial "foi perdida há muitos anos", por causa da suposta fraqueza de governos anteriores em negociar com outras nações melhores condições para os produtos americanos.

(Gabriel Bueno da Costa)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade