Publicidade

Estado de Minas

PIB cresce 0,4% no primeiro trimestre de 2018, revela IBGE

Consumo das famílias ainda mostra fôlego e cresce 2,8% no início do ano, no quarto trimestre seguido de avanço


postado em 30/05/2018 10:06 / atualizado em 30/05/2018 10:28

A agropecuária cresceu 1,4%(foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)
A agropecuária cresceu 1,4% (foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)

Rio de Janeiro - No primeiro trimestre de 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,4% frente ao quarto trimestre do ano passado, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta quarta-feira (30/05) o Instituto BRasileiro de Geografia e Estatística. Foi o quinto resultado positivo após oito quedas consecutivas nesta base de comparação.

A agropecuária cresceu 1,4%, enquanto indústria e serviços tiveram variação variação positiva de 0,1%. Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 1,6 trilhão.

Em relação a igual período de 2017, houve crescimento de 1,2% no primeiro trimestre do ano,o quarto resultado positivo consecutivo nesta comparação. A agropecuária caiu 2,6% enquanto indústria cresceu 1,6% e serviço, 1,5%.

No primeiro trimestre de 2018, o consumo das famílias cresceu 2,8%, o quarto trimestre seguido de avanço na comparação com o trimestre imediatamente anterior. No acumulado dos quatro últimos trimestres, o PIB cresceu 1,3% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

A taxa de investimento chegou a 16% do PIB, acima do observado no mesmo período de 2017 (15,5%). A taxa de poupança foi de 16,3% no primeiro trimestre de 2018, ante 15,8% em igual período do ano passado.


Revisão


O IBGE também apresentou uma revisão dos dados divulgados anteriormente. No primeiro trimestre do 2017, o crescimento do PIB tinha sido anunciado de 1,3% e foi revisado para 1,1%. No segundo trimestre do ano passado, não houve alteração e permaneceu com alta de 0,6%. Já nos últimos trimestres do ano passado, a revisão apontou melhora: passou de 0,2% para 0,3% no terceiro trimestre e de 0,1% para 0,2% no último.

Nos dados do primeiro trimestre de 2018 frente ao quarto trimestre de 2017, o IBGE registrou que na expansão da indústria, de 0,1%, houve alta de 2,1% no segmento eletricidade e gás, água e esgoto e limpeza urbana e de 0,6% na extrativa mineral. A indústria da transformação, contudo, teve queda de 0,4% e a construção civil recuou 0,6%.

Nos serviços, apresentaram resultado positivo as atividades de comércio (0,2%), transporte, armazenagem e correio (0,7%), imobiliárias (0,5%)  e administração, saúde e educação pública (0,1%). Os serviços de informação tiveram queda de 1,2% e os de intermediação financeira e seguros caíram 0,1%.

Pela ótica da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que representa os investimentos, cresceu 0,6%. A despesa do consumo das famílias subiu 0,5% e as despesas do governo caíram 0,4%. No setor externo, as exportações de Bens e Serviços tiveram expansão de 1,3%, enquanto as importações cresceram 2,5%.

Comparação anual


Na comparação com o primeiro trimestre de 2017, o dado que preocupa aponta que a construção civil continua apresentando resultados negativos, com recuo de 2,2%. Na mesma direção, a extrativa mineral caiu 1,9%, puxada pela queda tanto da extração de petróleo e gás natural quanto de minérios ferrosos. 

No entanto, a indústria como um todo cresceu 1,6%, sendo que o segmento de transformação teve o melhor desempenho: alta de 4% no primeiro trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período do ano passado. Esse resultado foi influenciado, sobretudo, pelo crescimento da produção de bebidas, móveis, máquinas e equipamentos, papel e celulose, metalurgia, veículos e equipamentos de informática.

A alta de 2,8% do consumo das famílias é explicada pelo comportamento dos indicadores de crédito para pessoa física, nem como das taxas de inflação e de juros mais baixas que as registradas em 2017.




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade