Publicidade

Estado de Minas

Ausência de candidatura de Lula beneficia nomes de centro, diz Meirelles

A candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)


postado em 26/01/2018 09:42 / atualizado em 26/01/2018 09:59

Ministro Henrique Meirelles(foto: Mattias Nutt)
Ministro Henrique Meirelles (foto: Mattias Nutt)

Brasília - Após a confirmação da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância nesta semana, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avaliou que a possível ausência do petista na disputa eleitoral de 2018 deverá beneficiar os candidatos de centro.

Apesar de ter a pena aumentada para 12 anos e 1 mês de prisão na quarta-feira, Lula irá recorrer da decisão em liberdade e foi lançado nesta quinta-feira, 25, oficialmente como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores à Presidência da República. A candidatura do ex-presidente, no entanto, pode ser barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

"Independentemente da minha decisão sobre candidatura, não há dúvida que a ausência de Lula (na eleição) beneficia os candidatos de centro. Isso porque os candidatos extremistas têm dificuldades de voto, e os eleitores de Lula que não são militantes do PT tendem a votar em candidatos de centro", afirmou Meirelles nesta sexta-feira, 26,, em entrevista à rádio CBN.

O ministro repetiu que o País deve gerar mais de 2,5 milhões de novos empregos em 2018 e garantiu que o teto de gastos será cumprido em 2018, como foi e 2017. "Já existe um controle de gastos bastante forte, mas o problema é a Previdência. Os gastos com a Previdência representam um porcentual crescente do orçamento", reafirmou.

Por isso, continuou Meirelles, a provação da reforma previdenciária seria "absolutamente necessária". Segundo ele, o governo "mantém firme" a posição de votar o projeto nos moldes do substitutivo que já está no plenário da Câmara dos Deputados.

"Acreditamos que haverá grande possibilidade de aprovar a Previdência agora. Mas o Congresso é soberano e não compete ao poder Executivo determinar o quê os parlamentares farão", acrescentou.

O ministro voltou a minimizar o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela S&P neste mês. Segundo ele, o corte na nota brasileira é uma questão pontual que tem a ver com as medidas de ajuste fiscal que tramitam no Congresso.

"O rebaixamento do País uma parece coisa grandiosa, mas é uma coisa específica. A agência analisou o fato de que evolução fiscal depende da reforma da Previdência. Ela não discutiu crescimento ou emprego, que é o que interessa a população", afirmou. "O Congresso tem aprovado reformas importantes e demonstra que as medidas devem ser aprovadas", enfatizou.

Durante a entrevista, Meirelles ainda considerou que as reuniões no Fórum Econômico Mundial nesta semana em Davos, na Suíça, foram positivas para o Brasil. "No ano passado, existia uma expectativa positiva sobre o crescimento do Brasil, e agora já temos dados sólidos do crescimento brasileiro em 2017. Há ainda o consenso de que haverá crescimento forte em 2018, de 3,0%", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade