Publicidade

Estado de Minas

Indústria mineira volta a prever admissões

Sondagem com empresas de Minas mostra 1º indicativo de futura contratação nas fábricas desde junho de 2013


postado em 25/01/2018 06:00 / atualizado em 25/01/2018 08:17

Para a Fiemg, cenários nas fábricas é de mais otimismo e segurança em relação ao ambiente da economia(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press - 8/8/14)
Para a Fiemg, cenários nas fábricas é de mais otimismo e segurança em relação ao ambiente da economia (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press - 8/8/14)

A indústria mineira desenha cenário de contínua recuperação do consumo, do investimento e do emprego no setor nos próximos seis meses, a despeito do tradicional desaquecimento da produção e da oferta de vagas percebido em dezembro nas empresas. Janeiro trouxe o primeiro indicativo geral de contratação nas fábricas dos últimos quatro anos e cinco meses, portanto, desde junho de 2013, com base na pesquisa de expectativas dos empresários feita dos dias 3 a 16 pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).

A variável emprego sai de uma indesejável e longa sequência de números pessimistas da consulta aos industriais do estado para o campo do otimismo, representando a grande novidade entre os sinais já esperados de melhora, na virada de ano, da demanda por produtos, compra de matérias-primas e intenção de investir. De acordo com a Sondagem Industrial da Fiemg, as expectativas quanto à evolução do emprego cravaram 51,7 pontos, ante 48,8 em dezembro.

O resultado foi também o melhor desde os 51,2 pontos de junho de 2013, pouco antes do começo da queda do indicador, que só agora volta a crescer, informou Annelise Fonseca, economista da Gerência de Estudos Econômicos da federação. “É expectativa que merece destaque porque surpreendeu ao marcar nível superior a 51 pontos. Ela sugere contratações e denota mais otimismo e segurança das empresas em relação ao ambiente econômico”, afirma. A linha dos 50 pontos demonstra estabilidade e separa os campos do pessimismo e do otimismo.

 

A perspectiva de elevação do quadro de pessoal das empresas é a última variável a subir no atual momento de recuperação de indicadores da economia brasileira. Os empresários disseram que a expectativa é de crescimento da demanda por seus produtos, com índice de 56,9 pontos, maior nível também desde junho de 2013 (58,4 pontos). Houve crescimento de 5,4 pontos nesse indicador, depois de três meses sucessivos de recuo.

 

Coerente com a expectativa quanto à produção, a compra de matérias-primas deverá aumentar neste primeiro semestre de 2018, com base nas respostas à pesquisa e no índice de 56,2 pontos, sendo 5,5 pontos acima do resultado de dezembro. Trata-se da melhor avaliação desde março de 2013. Quanto à intenção de investir, a recuperação segue, mostrada num índice de 53,6 pontos, maior nível desde fevereiro de 2014. Segundo a Fiemg, essa variável cresceu 9 pontos frente a janeiro de 2016 e 9,1 pontos na comparação com a média histórica, de 44,5 pontos.

“Pela análise dos indicadores, o resultado favorece a continuidade da recuperação que a gente ainda percebe lenta”, afirma Annelise Fonseca. A sondagem da Fiemg ouviu 47 grandes empresas, 57 médias e 71 pequenas indústrias. Os empresários indicaram uma lista já conhecida de principais problemas para trabalhar, encabeçada pela elevada carga tributária, com 44 pontos.

 

Enquanto isso...

...Veto na Pampulha

O plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) manteve, por 5 votos a 3, a cautelar que suspende a reabertura do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, para voos comerciais interestaduais. O principal argumento dos ministros que votaram a favor da medida foram a ausência de respaldo técnico e o caráter político da ação.Até que as circunstâncias sejam esclarecidas, Dantas defendeu que a cautelar seja mantida. A Gol já havia anunciado que iniciaria rota regular entre a Pampulha e o Aeroporto de Congonhas (SP), mas precisou rever essa decisão e a solução encontrada foi estabelecer a rota com parada em Juiz de Fora (MG).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade