Publicidade

Estado de Minas

Confiança está em baixa no setor industrial

Expectativa é de que cenário continuará ruim nos próximos seis meses, segundo a FGV. Percepção é a pior da série histórica


postado em 25/04/2015 06:00 / atualizado em 25/04/2015 08:43

Rio de Janeiro – A confiança da indústria de transformação sinaliza que será difícil haver uma recuperação na atividade até pelo menos o terceiro trimestre. O Índice de Expectativas da sondagem do setor atingiu neste mês o menor nível de toda a série, iniciada em abril de 1995, conforme a prévia divulgada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). No horizonte de seis meses, as expectativas sobre os negócios continuam piorando, e nos próximos três meses a produção e o emprego tendem a diminuir ainda mais. “Ainda não dá para dizer que a indústria está vendo o final do período de piora. A indústria ainda vê riscos e vai continuar cautelosa. No horizonte de três a seis meses, o cenário ainda será muito difícil”, afirmou o superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV, Aloisio Campelo.

Ontem, a instituição informou que a confiança da indústria recuou 3,2% na prévia de abril ante o resultado de março, para o menor patamar desde outubro de 1998. Com o resultado, o índice este mês atingiria 73 pontos. Vale lembrar que em outubro de 1998 ficou em 69,5 pontos. Campelo lembrou que, naquela época, o setor penava com a sobrevalorização do real (no regime de câmbio fixo em que R$ 1 valia US$ 1), com o volume pequeno de reservas internacionais e falta de liquidez no mundo após a Crise Asiática.

As expectativas, por sua vez, cederam 8,2% na passagem do mês, ao menor nível já registrado. Segundo o superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV, o resultado se deu por uma redução do número dos que ainda estavam otimistas com o futuro. A mudança, no entanto, não tem a ver com a condução da política econômica atualmente. “A percepção é de que o ajuste é necessário. Os empresários estão chegando à conclusão de que o nível de atividade ainda está fraco”, disse Campelo.

Uso da capacidade ainda em queda


O resultado preliminar do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) indica uma diminuição de 0,3 ponto percentual entre março e abril, ao passar de 80,4% para 80,1%, que seria o menor nível desde julho de 2009 (79,9%). Apesar da queda pequena, a percepção sobre a situação atual melhorou 1,9% na prévia divulgada ontem. “Isso não tem a ver com o Nuci, nem é por melhora muito expressiva nos estoques. Estamos detectando melhora na percepção da demanda externa, possivelmente em função do câmbio, e na situação atual dos negócios. Isso tem a ver com redução das turbulências e com o risco menor de racionamento”, afirmou.

Outra boa notícia, segundo Campelo, é que a confiança da indústria de bens de capital parou de cair em abril. “Não acho que vai haver um boom de investimentos, pelo contrário. Mas já é alguma coisa”, comentou. A confiança da categoria de bens intermediários também melhorou, provavelmente devido ao real mais desvalorizado ante o dólar. Já as categorias de bens duráveis, não duráveis e de material de construção seguiram em deterioração neste mês, segundo a FGV.


Publicidade