Publicidade

Estado de Minas

BoJ mantém política monetária inalterada


postado em 31/10/2013 05:55 / atualizado em 31/10/2013 08:15

O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) manteve a sua política monetária inalterada nesta quinta-feira, sinalizando a confiança em atingir à sua meta de inflação. Ainda assim, o desempenho das exportações em meio a uma desaceleração nos mercados emergentes tem irritado alguns membros do banco central japonês.

Após a decisão de política monetária, os investidores do mercado aguardam a divulgação da previsão semestral do BoJ sobre o crescimento econômico e a inflação.

Com previsões para os próximos três anos, o relatório pode oferecer pistas sobre a possibilidade de o banco central mexer com o programa de compra de ativos lançado em abril.

Além disso, a previsão do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) até o ano fiscal que termina em março de 2016 é um dos pontos que mais Dee chamar a atenção dos investidores. O BoJ prometeu que atingirá a sua meta de inflação de 2% em dois anos.

Após a reunião de política monetária, o conselho de nove membros decidiu por unanimidade manter a sua política de aumentar a base monetária em 60 trilhões de ienes a 70 trilhões de ienes anualmente.

Desde que começou o programa de compra de ativos há sete meses, os membros do BoJ afirmaram que conseguiriam superar a deflação e atingir a meta de inflação de 2%.

Os membros do BoJ estão cada vez mais preocupados sobre a fraqueza das economias estrangeiras, o que seria desfavorável para as exportações japonesas, afirmaram as pessoas familiarizadas com o assunto.

Alguns membros do BoJ admitem secretamente que o banco central vai ter que cortar a sua perspectiva de crescimento se não estabelecer um pacote de gastos de 5 trilhões de ienes para amortecer o impacto do aumento dos impostos.


Publicidade