Publicidade

Estado de Minas

Portugal teve 886 mil pessoas desempregadas no segundo trimestre


postado em 08/08/2013 07:40

A taxa estimada de desemprego em Portugal teve queda entre o primeiro e o segundo trimestre de 2013, mas é maior na comparação anual (2012 e 2013). De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), 16,4% da população economicamente ativa estavam desempregados nos meses de abril, maio e junho.

%u201CEsse valor é superior em 1,4 ponto percentual ao do mesmo trimestre de 2012 e inferior em 1,3 ponto percentual ao do trimestre anterior%u201D, mostra o INE, que equivale ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Brasil. Em termos absolutos, a estimativa é de que havia no segundo trimestre deste ano 886 mil pessoas desempregadas em Portugal (número acima da população de capitais brasileiras como Teresina e Natal), o que representa um aumento de 7,1% em relação ao mesmo período de 2012 e uma diminuição trimestral de 7% em relação a janeiro, fevereiro e março deste ano %u2013 ou mais 59,1 mil pessoas sem ocupação formal na comparação anual ou menos 66,2 mil pessoas na comparação trimestral. Conforme o INE, em termos percentuais o desemprego entre as mulheres (16,5%) é ligeiramente superior ao dos homens (16,4%). A proporção de desempregados continua a ser maior entre os estratos mais jovens: 37,1% entre as pessoas de 15 a 24 anos. A maior taxa de desemprego está na região metropolitana de Lisboa (19,3%) e a menor na região central de Portugal (11,5%). O principal partido governista (Social Democrata) comemorou a redução trimestral da taxa de desemprego, mas a mais importante legenda de oposição minimizou os resultados, que atribuiu à sazonalidade. Segundo disse à Agência Lusa o secretário nacional do Partido Socialista, João Proença, o ciclo repete-se todos os anos, com o desemprego caindo nos meses de primavera e verão no Hemisfério Norte e voltando a subir em setembro quando chega o outono. A redução da taxa de desemprego já havia sido apontada pelo Eurostat. Nesta quinta-feira, o INE divulga o índice de novas encomendas na indústria. Segundo o instituto, houve redução nas vendas da indústria entre abril e junho: -0,9% na comparação trimestral. O índice de emprego no setor registrou queda de 3,1%, e as remunerações e o volume de horas trabalhadas também diminuíram - as duas taxas caíram 2,5%.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade