Publicidade

Estado de Minas

Indústria de eletroeletrônico prevê desaceleração no ano que vem


postado em 05/12/2008 08:19 / atualizado em 08/01/2010 03:59

A indústria eletroeletrônica vai fechar 2008 com faturamento de R$ 123,7 bilhões, 11% mais que no ano anterior. Mas há desaceleração à vista em 2009, quando o faturamento deve avançar 7%, segundo a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica).

"Mas o ano que vem não deve ser uma catástrofe", afirmou o presidente da Abinee, Humberto Barbato, que, antes da crise, esperava uma expansão de 12% a 15%.

Além do crédito mais curto, a desvalorização cambial foi o principal problema trazido pela crise. O setor não reclama do atual patamar do dólar, mas da oscilação brusca. "Para nós, o ideal é que o dólar nunca tivesse caído a menos de R$ 3", disse Paulo Castelo Branco, da Abinee.

Celulose

A crise internacional paralisou fábricas, interrompeu um meganegócio e arrastou a maior empresa do setor no país para uma crise financeira sem precedentes. Apesar de tudo, o Brasil encerrará o ano como o quarto maior produtor mundial de celulose. Em 2007, era o sexto.

Segundo a Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel), a indústria nacional vai produzir 12,85 milhões de toneladas e ultrapassará Suécia e Finlândia. Havia chances de o setor alcançar 13 milhões de toneladas, mas a crise abortou o plano.

Agora, o país ficará atrás da China, do Canadá e do líder, os EUA. Segundo Elizabeth de Carvalhaes, da Bracelpa, a nova posição do país no mercado mundial de celulose foi conquistada pelo avanço da produção, de 7,1%, e pelos recuos de Suécia e Finlândia.


Publicidade