Publicidade

Estado de Minas

Setor aéreo terá crescimento menor


postado em 12/11/2008 07:56 / atualizado em 08/01/2010 04:04

Rio de Janeiro, RJ - As principais companhias aéreas brasileiras apostam em crescimento mais fraco da demanda no mercado doméstico em 2009 como efeito do menor ritmo previsto de crescimento da economia. A Gol divulgou na terça-feira uma projeção de crescimento de 6% para 2009. A TAM vê um cenário de expansão de 5% a 9%.

Dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) mostram que a desaceleração já chegou ao setor: em outubro houve queda de 3,9% na demanda no mercado doméstico. Trata-se da primeira redução registrada neste ano.

As últimas quedas foram registradas em agosto do ano passado e em julho de 2006. Para Paulo Bittencourt Sampaio, consultor em aviação, os dados reforçam o papel de indicador antecedente do transporte aéreo em relação ao desempenho da economia. A taxa de ocupação dos aviões foi de 62%, contra 69% em outubro de 2007.

A Gol registrou queda de 20% na demanda, com taxa de ocupação de 58%. Segundo analistas, o resultado pode ter sido afetado pelo processo de integração com a Varig.

No mercado de vôos internacionais, houve crescimento de 14,8% na demanda. A TAM bateu novo recorde e sua fatia de mercado chegou a 83,84% entre as empresas brasileiras que realizam vôos para o exterior.

Segundo Sampaio, o crescimento menor da demanda em 2009 trará de volta as promoções nos preços dos bilhetes. "As tarifas vão ficar mais ao gosto do passageiro no ano que vem. Com taxas de ocupação mais baixas, TAM e Gol serão obrigadas a fazer promoções", disse. Além da economia mais fraca, contribuem para isso o aumento da concorrência com a entrada em operação da Azul em dezembro e a previsão de aumento da frota da Webjet.

Para André Castellini, da consultoria Bain & Company, 2009 será um ano difícil para as companhias aéreas. "O transporte aéreo está relacionado à renda disponível. A viagem de lazer tende a sofrer com o aumento da incerteza e as viagens internacionais são afetadas pela alta do dólar. Para ocupar os assentos, as empresas terão de usar bastante as promoções."

Reajuste antecipado

Com a perspectiva de passagens mais em conta em 2009, as companhias aproveitaram para reajustar os bilhetes no terceiro trimestre deste ano. A TAM informou ontem que houve aumento de 18% no "yield" (preço médio pago por quilômetro) no mercado doméstico em relação a igual período do ano passado. Segundo Caio Dias, analista do Santander, os resultados de outubro já refletem a política de preços.

Segundo Dias, o "yield" da Gol passou de R$ 0,21 em outubro do ano passado para R$ 0,27 neste ano. "Antes de reduzir preços, as empresas vão diminuir a taxa de utilização das aeronaves (número de horas de vôo/dia). Mesmo com tráfego fraco, as empresas estão conseguindo fazer dinheiro agora."


Publicidade