UAI
Publicidade

Estado de Minas PROJETO DE EXTENSÃO

Conheça o 'FAI', projeto de fotografia de moda no Aglomerado da Serra em BH

O projeto de fotografia é gratuito e visa contribuir para a visibilidade de pessoas representantes de minorias étnicas, de gênero e socioeconômicas


01/07/2022 15:26 - atualizado 01/07/2022 16:23

Nesta ordem, professor Charles Bicalho e alunos Marcel Warley, Francielle Nery e Gabriela Almeida
O professor e os alunos da UEMG buscam moradores do Aglomerado da Serra para gerar um ambiente mais diversificado e inclusivo dentro e fora da moda (foto: FAI/Divulgação)

 

O projeto de extensão Fotografia Além de Imagens (FAI) visa analisar, por meio de ensaios fotográficos, como espaços e corpos se relacionam. Alunos da Escola de Design da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), Marcel Warley, Francielle Nery e Gabriela Almeida, juntamente com o professor Charles Bicalho, buscam moradores do Aglomerado da Serra para gerar um ambiente mais diversificado e inclusivo dentro e fora da moda.


Para participar basta ser maior de 18 anos e morador da área, seja como modelo voluntário ou profissional voluntário


De acordo com Marcel Warley, o projeto possui inspirações em outra iniciativa, chamada É Moda Brasil, que ofertava ensaios fotográficos e vivências do mundo da moda de forma gratuita pelas favelas e aglomerados.


“Resolvemos levar o projeto de extensão para o Aglomerado da Serra e desenvolver a ideia com a comunidade e para a comunidade. Então, quem trabalha com cabelo e maquiagem vai poder participar com os serviços, e o modelo também vai usufruir desses serviços. Para além da fotografia, será criado um catálogo com as informações do modelo e da pessoa que ajudou a produzi-lo”, explicou.

 

As ações serão potencializadas por meio da realização de mini ensaios fotográficos feitos com moradores do Aglomerado da Serra, preferencialmente em espaços abertos. A inspiração vem da Street Photography ou fotografia de rua, que, como a expressão sugere, usa o ambiente externo, principalmente urbano, para mostrar o dia a dia e a cultura de determinada comunidade, com sua arquitetura e outros elementos do cenário em que vivem seus moradores.


Modelo
Modelo Ana Beatriz veste Ellen Sharkany Brand no Aglomerado da Serra (foto: FAI/Divulgação)


Warley disse ainda que a escolha do público alvo - pretas, pardas e indígenas, mulheres, pessoas LGBTQIA+, plus size, portadores de HIV, portadores de vitiligo, pessoas em situação de rua, portadores de deficiência física ou mobilidade reduzida, e moradores de vilas e aglomerados - veio do fato de essas pessoas não serem escolhidas pelo mundo da moda. 


“Pensamos nelas para trazer essa desconstrução. A gente sai de uma coisa padronizada pela sociedade, como corpos magros e brancos e faz o reverso disso, com corpos pretos, indígenas, pessoas plus size”, disse. 



Na opinião de Marcel, o projeto vai mudar não somente a vida dos modelos e empreendedores que participam do projeto como também a dele e dos colegas que estão participando do projeto.

“Vamos trabalhar a tecnologia social, levando recursos e projetos para esse grupo de pessoas. Pensamos que além de uma formação na moda, que é uma área elitizada e excludente, devemos realmente tentar trabalhar o que aprendemos em sala de aula para essas pessoas de forma mais igualitária”, contou. 


A ideia é levar uma experiência para todos. “A fotografia muda a maneira de como as pessoas veem o mundo, então a partir da iniciativa, conseguimos mostrar para as pessoas, de forma não romantizada, trabalhando a auto estima e o poder da fala como ferramenta para essas pessoas que não recebem uma oportunidade”, finalizou.

 

*Estagiária sob supervisão ddo subeditor Thiago Prata  


 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade