UAI
Publicidade

Estado de Minas REPRESENTATIVIDADE NEGRA

Simone Biles é eleita atleta do ano pela revista Time

Atleta da ginástica artística se posicionou sobre saúde mental e caso de assédio que sofreu durante a carreira


13/12/2021 11:00 - atualizado 13/12/2021 11:37

Simone Biles nas Olímpiadas de Tóquio 2020
Biles acumula recordes de conquistas e medalhas em competições mundiais (foto: Jeff PACHOUD / AFP )


A revista norte-americana Time, escolheu, na quinta-feira (09/12), Simone Biles como atleta do ano de 2021. Anualmente, a revista seleciona os principais nomes de diversos segmentos do esporte. Com Simone Biles, nesta edição, a revista indicou dois atletas negras de forma consecutiva. Em 2020, o jogador de basquete Lebron James foi o escolhido pela Time.

Simone Biles é um dos principais destaques da ginástica artística dos EUA e do mundo, criando e aperfeiçoando movimentos em suas apresentações. Com 24 anos, natural da cidade de Columbus, no estado de Ohio, a atleta já conquistou 19 medalhas de ouro, três de prata e três de bronze no Campeonato Mundial de Ginástica Artística, principal competição anual da modalidade.

E as conquistas também aconteceram em outras competições consagradas. Em sua primeira disputa de Jogos Olímpicos, no Rio 2016, Biles conquistou cinco medalhas de ouro e uma de bronze. No Campeonato Mundial de Ginástica Artística, Simone também domina, com recordes e feitos como ser a primeira mulher a ser tricampeã seguida nos títulos individuais gerais.

Em entrevista concedida à Time, Biles comentou como as pressões e as questões psicológicas afetam sua carreira, mas que, para ela, não foram motivos para encerrar.

“Se eu fosse parar, teria outras oportunidades de parar”, diz ela. Ela lembra que passou por tantas coisas neste esporte, o que podria ter feito desistir, mas não foi o caso da Olimpíada de Tóquio.

POSICIONAMENTOS FIRMES

Simone adotou  posicionamento marcante nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, quando desistiu de participar das fases finais da modalidade individual geral. Um dos motivos alegados pela atleta foi a prioridade nos cuidados com sua saúde mental. O ato levantou discussões sobre o tema dentro do esporte.

A atleta também relatou que sofre de 'twisties', bloqueios mentais que afetam sua saúde, alterando sua noção de espaço e comprometendo seus movimentos. A condição aparece, principalmente durante as competições. 
 
Além disso, Simone foi uma das vítimas de Larry Nassar, médico que acompanhava atletas de ginástica artística dos EUA e que cometeu crime de assédio durante os atendimentos.
 
*estagiário sob a supervisão de Márcia Maria Cruz 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade