UAI
Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Otto manda recado para o 'mundo chapa quente' no disco 'Canicule sauvage'

Crise climática, guerra e intolerância beligerante que avança no planeta inspiraram o cantor e compositor. Mas ele tem esperança: "A alegria pode voltar", diz


02/05/2022 04:00 - atualizado 01/05/2022 22:37

Cantor Otto, sem camisa, olha para a câmera. No peito dele está tatuada a palavra Harmon. Ao fundo vê-se o maquinário de uma indústria
Otto diz que "Canicule sauvage" nasceu da ''solidão necessária'' que vivenciou nos últimos tempos. Em 16 de julho, ele canta n'A Autêntica, em BH (foto: Rui Mendes/divulgação )

"Gosto da diversidade, acho que estou transmitindo isso melhor. Talvez tenha dominado um pouco mais o meu caos, que é indomável, ou talvez meu caos tenha me dominado, o que também organiza tudo"

Otto, cantor e compositor



Ao longo de sua trajetória, o cantor e compositor pernambucano Otto trouxe à luz álbuns que eram uma espécie de retrato – o registro de si mesmo, do que o cerca e do tempo ao qual pertence. Em seu novo trabalho, “Canicule sauvage” (“Onda de calor selvagem”, em livre tradução do francês), não é diferente. Produzido por Apollo 9 e com participações especiais de Tulipa Ruiz, Ana Cañas, Lirinha e Junio Barreto, o disco aborda o planeta e a humanidade convulsionados, em ebulição.

“O nome já diz tudo, o disco é essa chapa quente que estamos vivendo”, diz Otto, chamando a atenção tanto para a crise climática quanto para polarizações, conflitos e guerras no Brasil e no planeta. A casa de shows A Autêntica anuncia para 16 de julho o show do pernambucano em BH.

Ao explicar o conceito do trabalho, o compositor evoca “Hemodialisis”, faixa de seu segundo álbum de estúdio, “Condom black” (2001), cuja letra diz que o sangue está para o homem assim como os rios estão para a Terra.

GELEIRAS DERRETIDAS

Otto compôs a faixa-título em Marseille, na França, onde conversava com amigos sobre as mudanças climáticas e suas consequências, como o derretimento das geleiras. “Há quatro ou cinco anos, os amigos de lá me diziam que a temperatura passaria a subir absurdamente, o que está acontecendo agora. O disco fala disso, da devastação da natureza, e também do homem e do mercado, que parecem precisar da guerra”, diz.

O Brasil, de uma hora para outra, se tornou belicoso, cindido e com sua democracia deturpada, observa Otto.

“Desde o golpe contra Dilma (Rousseff) venho falando disso, do que está acontecendo com a gente. Os direitos dos trabalhadores estão sendo retirados, os povos originários massacrados. Que extrema-direita é essa que chegou ao poder? Sempre lidei com o conservadorismo, sempre respeitei as opiniões diversas, mas o cenário atual está além de qualquer compreensão. Nos tornamos um país abandonado, com um povo abandonado. A gente sente muito mais esse ‘canicule’, ele está em tudo o que estamos passando”, aponta.

Com o novo álbum, o cantor e compositor pernambucano diz que pretende traduzir este tempo “triste e opressor”, mas temperando a melancolia com uma dose de esperança.

“A gente fica se sentindo muito impotente diante de tudo, mas não perde a fé na melhora das coisas”, ressalta. A fé se sustenta, por exemplo, na possibilidade do reencontro com o público. Antes mesmo do lançamento de “Canicule sauvage”, Otto já vinha fazendo shows baseados em seu novo repertório, planejando a agenda futura. “Está dando para ver um horizonte; a crise está aí, mas a alegria pode voltar”, confia.

O processo criativo dele é ininterrupto. Terminado um disco, conta que já planeja o próximo. “Canicule sauvage” começou a ser arquitetado em 2018, um ano depois do lançamento de “Ottomatopeia”. Em 2019, ele deu início às gravações, mas de modo peculiar, apenas registrando ideias dispersas em seu iPhone. A pandemia acabou por moldar a forma de construir o repértório, marcada pelo caminho solitário.

Durante o isolamento social, Otto começou a trabalhar com o software GarageBand, que permite a criação musical a partir do celular. Dessa forma, foi estruturando as faixas antes de levá-las para o produtor Apollo 9.

“Isso foi um pouco determinado pela pandemia, mas também pela necessidade de fazer meu próprio trabalho, de forma artesanal. Está todo mundo tentando renascer das cinzas. Eu estava um pouco distante da minha própria criação. Fui para uma solidão necessária e estou voltando agora”, afirma.

GARAGEBAND 

Na verdade, antes de chegar a Apollo 9, o disco foi totalmente feito a partir do GarageBand – processo um pouco caótico, admite. “Registrei umas 250 células musicais ou mais, até parei de calcular. Para arrancar 10 disso daí foi um trabalho danado, o processo maior foi no sentido de enxugar. Fazer música no iPhone tem isto: você está ali, a toda hora, então as coisas vão saindo o tempo inteiro. É o deus digital, como um vício, mas acredito que daí virá uma nova humanidade”, opina.

“Estou com 54 anos, podia ficar longe dessa revolução, mas não, estou fazendo um disco em casa, com iPhone, barato. Os fonogramas são meus”, diz.“Sou como menino de 17 anos no GarageBand, aprendendo, porque é importante você estimular o aprendizado de ir para outros lugares”, acrescenta.

Produtor do celebrado álbum de estreia de Otto, “Samba pra burro” (1998), Apollo 9 era a pessoa que poderia melhor organizar tantas ideias, diz o compositor. Porém, desta vez o processo foi outro, pois ele já chegou ao produtor com as células musicais executadas.

“Sei como Apollo trabalha e precisei do parceiro que pudesse dar um panorama, abrir e limpar as ideias. É uma felicidade trabalhar com ele, porque, além de grande produtor, é um cara que toca de tudo, tem todos os sintetizadores possíveis. ‘Canicule sauvage’ é um trabalho de dupla, de criação e produção”, diz.

Com efeito, Apollo 9 comparece em todas as faixas. Toca de gaita a minimoog, passando por guitarras, violões e baixo. Também participaram do álbum Pupillo (Nação Zumbi) e o violonista Juliano Holanda.

''Estou com 54 anos, podia ficar longe dessa revolução, mas não, estou fazendo um disco em casa, com iPhone, barato. Os fonogramas são meus. Sou como menino de 17 anos no GarageBand, aprendendo, porque é importante você estimular o aprendizado de ir para outros lugares%u201D

Otto, cantor e compositor



Se o processo de construção das células musicais se deu por caminhos tortuosos, o mesmo ocorreu com as letras. Otto conta que há alguns anos não se dá ao trabalho de parar, elaborar e escrever o que vai cantar. “Estou nessa do MC de freestyle: criar na hora. Sempre tive isso, coisa que vem do repentista e se relaciona com minha infância. Em meus últimos discos foi assim, não paro para pensar na letra, não escrevo. Me dei esse direito”, conta.

O pernambucano comenta que no Brasil não o associam ao rap, ao contrário do que ocorre no exterior. Para ele, o fato de trabalhar sozinho, valendo-se apenas do celular, acentuou sua verve eruptiva. “Dentro de casa, de noite, você sozinho com seu iPhone, estudiozinho... Tinha que ser desse jeito. O pensado já é o executado.”

De acordo com Otto, os artistas que convidou para participar do álbum são “grandes amigos”. Alguns gravaram de forma remota, como Tulipa Ruiz e Nina Miranda. Com Ana Cañas, ele dividiu o estúdio, para onde levou Junio Barreto, que, no entanto, finalizou sua colaboração do Recife, para onde voltou depois da temporada em São Paulo.

“Sempre busquei outras vozes nos meus discos. Para ‘Canicule sauvage’, chamei essa turma pela admiração e pela amizade. Amo a voz de Tulipa Ruiz, a queria muito na faixa ‘Tinta’, e ela se colocou ali dentro. A mesma coisa com a Ana Cañas. A faixa ‘Menino vadio’ tem uma frieza, e ela trouxe calor, uma coisa quente, muito bonita. Lirinha é companheiro da vida toda, também é do repente, um dos maiores poetas que conheço. Gosto de entregar para ele interagir comigo”, detalha. A cantora e atriz baiana Lavínia Alves, namorada de Otto, também compareceu no estúdio e participa dos shows.

CAOS

 Outra presença marcante é a cantora franco-senegalesa Anaïs Sylla na faixa-título. “Com esse disco, presto homenagem à França, país pelo qual sou apaixonado. Depois que você conceitua um álbum, pode caber de tudo nele, misturar a esfera política com a esfera cultural, falando de outras línguas, por exemplo. Gosto da diversidade, acho que estou transmitindo isso melhor. Talvez tenha dominado um pouco mais o meu caos, que é indomável, ou talvez meu caos tenha me dominado, o que também organiza tudo”, garante.

Cantor Otto posa, com a mão na cintura, ao lado de uma fornalha onde se vê fogo
Nublu Records/reprodução
“CANICULE SAUVAGE”

• Disco de Otto
• Nublu Records
• 11 faixas
• Disponível nas principais plataformas


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade