UAI
Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Maria Casadevall é super-heroína ética e sem glamour em 'Garota da moto'

Atriz decidiu raspar os cabelos para evitar sensualização da protagonista do longa derivado da série do SBT. Estreia nos cinemas é nesta quinta (23/9)


23/09/2021 04:00 - atualizado 23/09/2021 07:36

A atriz Maria Casadevall decidiu raspar os cabelos para viver Joana, protagonista do longa
A atriz Maria Casadevall decidiu raspar os cabelos para viver Joana, protagonista do longa (foto: Paris/Downtown/Divulgação)

É um longa de ação e é protagonizado por uma mulher. Com essa receita, “ Garota da moto ”, que estreia nesta quinta-feira (23/09) nos cinemas , tem a ambição de renovar o cenário dos filmes de ação no Brasil. 

A história é um spin-off da série homônima produzida pelo SBT , que atualmente está disponível também na Amazon Prime Video, e repete a parceria entre o diretor Luis Pinheiro e a atriz Maria Casadevall . A dupla já havia trabalhado junta na comédia “Mulheres alteradas”.

Lançada em 2016, a série “Garota da moto” contava a história de Joana, que lidava com a perseguição de Bernarda. Após envenenar o marido, Bernarda vai atrás das duas pessoas capazes de ameaçar sua he- rança. E Joana é mãe de um filho do homem assassinado, com quem ela havia tido um breve relacionamento. 

O filme que chega hoje às salas em Belo Horizonte dá sequência à fuga de Joana, que teve que aprender a lutar para defender a si mesma e ao filho, Nico.

A protagonista trabalha como motogirl numa São Paulo distópica. O ofício é uma forma de ganhar a vida e também de manter sua identidade escondida. Em uma das entregas, ela se depara com uma situação de trabalho escravo comandada por homens em um galpão abandonado. 

Após intervir por conta própria e libertar as mulheres submetidas à condição degradante, Joana passa a ser perseguida novamente, agora por uma organização criminosa.

Naruna Costa, Duda Nagle, Roberto Birindelli e Kevin Vecchiato integram o elenco. A produção é de João Daniel Tikhomiroff, também criador da série. Ainda que o cinema de ação deixe a desejar no quesito da inclusão feminina, o filme consegue se apoiar em alguns bons exemplos e faz referências que vão desde “Kill Bill” até “Mad Max: Estrada da fúria”. 

A construção da personagem de Joana foi cuidadosamente lapidada por Maria Casadevall, que procurou desenvolver para a protagonista uma personalidade menos sensualizada e menos parecida com o comum nos filmes de super-heroínas. 

A decisão de raspar o cabelo foi da atriz. “Embora essas personagens de filmes da Marvel sejam referências, a gente foge de um estereótipo de sexualização dos corpos, dessa feminilidade-padrão. A questão de aparecer de cabelo raspado deu um norte em relação a qual Joana a gente queria construir. Como ela seria? Que corpo? Que cara? E, a partir disso, qual personalidade?”, conta a atriz.

A atriz avalia que Joana é “uma pessoa muito ética” e cita uma das falas da personagem no longa: “Eu não consigo ver uma injustiça, saber que posso fazer alguma coisa e não fazer nada”. Na opinião de Maria Casadevall, esse trecho do roteiro pode ser visto como “uma provocação no lugar da metáfora: o que a gente faz diante desse momento histórico, político e sanitário que estamos vivendo?”.

O papel do policial Peixoto ficou com o ator Duda Nagle, um entusiasta do cinema de ação e dos efeitos especiais do cinema. Recentemente, ele chegou a organizar um workshop com um dos grandes dublês de Hollywood, Bobby Holland, que participou de produções como “Thor”, “Capitão América” e “Batman begins”.



“Entrei no projeto para puxar o ritmo nessa linha de cenas de ação e para mim foi uma ótima oportunidade”, diz Duda. “Acredito que hoje em dia é como se a bola estivesse quicando na nossa frente.”

Na opinião de João Daniel Tikhomiroff, “existe um certo preconceito em relação aos gêneros que nós exercitamos”. Ele diz ver, no entanto, “um movimento dos nossos atores, que cada vez se entregam mais para desempenhar esses papéis. É um horizonte grande que se abre, e a gente vai poder trilhar mais coisas nesse território dos filmes de ação”.

“GAROTA DA MOTO” 
(Brasil, 2021). De Luis Pinheiro, com Maria Casadevall, Duda Nagle, Kevin Vechiatto, Naruna Costa. Classificação: 14 anos. Estreia nesta quinta (23/09) em salas dos complexos Cinemark, Cineart e Cinépolis, em Belo Horizonte

*Estagiário sob a supervisão da editora Silvana Arantes




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade