Publicidade

Estado de Minas LANÇAMENTO

Pedro Santos revela seu itinerário subjetivo em disco e livro de poesia

Poeta e compositor lança, nesta sexta-feira (30/07), o álbum autoral 'Feliz cidade' e o volume de poemas 'O cavaleiro de copas'


30/07/2021 04:00 - atualizado 30/07/2021 10:25

Pedro Santos estreia como poeta e lança o primeiro álbum solo, totalmente autoral(foto: Bryan Carvalho/divulgação)
Pedro Santos estreia como poeta e lança o primeiro álbum solo, totalmente autoral (foto: Bryan Carvalho/divulgação)

É com dois cartões de visita em mãos que o cantor, compositor e escritor Pedro Santos se apresenta na cena artística de BH. Nesta sexta-feira (30/07), ele lança seu primeiro álbum em carreira solo, o autoral “Feliz cidade”, e também seu primeiro livro de poesia, “O cavaleiro de copas” (Urutau).

Ao longo de 14 faixas, Pedro percorre um itinerário subjetivo em seu primeiro disco, conforme ele mesmo aponta. A partir de dois motes – a busca pela felicidade e as paisagens sonoras de Belo Horizonte –, o artista revela um pouco de si e da sua história, em termos de temática, explorando sonoridades diversas, com explícita influência do Clube da Esquina.

VIAGEM 

“O álbum ‘Feliz cidade’ é a viagem de um eu lírico que percorre vários momentos emocionais, que vão sendo refletidos na ambientação das músicas. A ideia era realmente proporcionar ao ouvinte uma espécie de viagem sonora pela ambiência física da cidade e também uma viagem emocional, porque esse eu lírico vai sendo confrontado com as próprias emoções, com os sentimentos, ao longo das faixas”, diz.

Pedro recorre à ideia de “paisagens sonoras” para definir os climas emocionais do disco, que começa com uma vinheta, seguida da faixa título, que, a seu ver, tem estética que propositalmente remete ao trabalho de Milton Nascimento, Lô Borges e companhia.

“É um disco heterogêneo, as canções passam por diversos gêneros. Isso foi intencional, tem a ver com os lugares onde vivi, sou do bairro Floresta, moro hoje no bairro Santa Tereza e por isso tem a referência explícita ao Clube da Esquina”, destaca.

“Feliz cidade” marca a estreia solo de Pedro, mas sua carreira musical coleciona parcerias há mais de uma década. De 2009 a 2014, trabalhou como violonista e vocal de apoio na banda do violeiro Ilton Mourão; de 2013 a 2015, fez parte da equipe terapêutica do Hospital André Luiz como músico prático; de 2012 a 2016, foi violonista e compositor no Projeto Alpercata, grupo com o qual lançou o disco “Vela aberta” (2016); de 2018 a 2019, o artista integrou o grupo Trimera, de MPB.

Essa trajetória se reflete no repertório de “Feliz cidade”, já que todas as músicas foram feitas há mais de cinco anos. “A maioria das músicas data de antes de 2015, quando comecei a ter o desejo de fazer um disco próprio. As composições são fruto de minhas imersões em trabalhos diversos que realizei até aquela época”, conta.

Pedro ressalva que seguiu compondo depois de 2015 – e mantém até hoje a verve criativa –, mas está guardando esse material para um lançamento futuro. “Feliz cidade” estava pronto há mais tempo, mas os planos de lançamento foram afetados pela chegada da COVID-19.

“O disco ia sair justamente quando chegou a pandemia. A gente não sabia até quando ela ia durar ou quando eu poderia fazer o lançamento num contexto mais tranquilo. Quando vi que a situação poderia se estender, pensei em lançar virtualmente mesmo, nas plataformas, para que as pessoas tivessem acesso. Não quis esperar mais”, diz.

LITERATURA 

Com relação ao livro, Pedro conta que a poesia surgiu em sua vida quando tinha por volta dos 20 anos – hoje ele está com 31 –, ao tomar contato com a produção de Adélia Prado, Paulo Leminski, Manuel Bandeira, Manoel de Barros e Ferreira Gullar.

“Na época, se tratava de uma atividade despretensiosa. Essa é a primeira vez que me assumo como poeta perante o público”, revela. “Entendo esse livro como uma espécie de pesquisa amorosa. 'O cavaleiro de copas' é uma carta de tarô que tem a ver com o homem idealista, que acredita no amor e enfrenta tudo para poder frutificar esse amor. Quis criar uma alegoria desse cavaleiro para que ele pudesse passar por sentimentos, emoções, sensações”, acrescenta.

O compositor e poeta ressalta que o duplo lançamento atende a sua própria satisfação estética. “Sinto que preciso transitar entre as duas áreas, pois há coisas que só um músico diz e outras que só um poeta concebe. Meu fascínio com o tempo, seja o tempo das palavras, seja o tempo das notas musicais, é um dos pontos de convergência entre a minha produção musical e a poesia”, conclui.

(foto: Urutau/reprodução)
(foto: Urutau/reprodução)

“O CAVALEIRO DE COPAS”
.Livro de poesia de Pedro Santos
.Editora Urutau
.52 páginas
.R$ 40
.Venda on-line no site da editora e pedrohenriquesantosabreu@gmail.com

(foto: Paulo Abreu/divulgação )
(foto: Paulo Abreu/divulgação )

“FELIZ CIDADE”
.Disco de Pedro Santos
.14 faixas
.Independente
.Disponível nas plataformas digitais




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade