Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Claudio Nucci, ex-Boca Livre, lança disco e comemora 40 anos de carreira

Cantor e compositor, ex-Boca Livre, gravou parceria inédita com Aldir Blanc, além de releituras de 'Toada', 'Acontecência', 'Quero-quero' e 'Sapato velho'


06/04/2021 04:00 - atualizado 06/04/2021 07:16

Claudio Nucci fez seu disco em Nova Friburgo, onde mora, com gravações de convidados de várias partes do país(foto: Fotos: Raphael Pinheiro/Divulgação)
Claudio Nucci fez seu disco em Nova Friburgo, onde mora, com gravações de convidados de várias partes do país (foto: Fotos: Raphael Pinheiro/Divulgação)
Para comemorar suas quatro décadas de carreira, Claudio Nucci lança o álbum “Direto no coração – 40 anos de acontecências”, cujo repertório traz antigos sucessos e canções mais recentes. Um mutirão de amigos participa das 13 faixas. Paulinho Moska (“Toada”), Pedro Luís (“Sapato velho”), Zé Renato (“A hora e a vez”), Renato Braz (“Acontecência”) e Chico Chico (“Quero-quero”), filho de Cassia Eller, são alguns deles.

A inédita “Caçada humana”, cujo single saiu em fevereiro, é parceria de Nucci com Aldir Blanc, que morreu em maio do ano passado. “Essa canção surgiu em 1987 e está sendo lançada agora com 'Da nossa natureza' e ‘Direto no coração’, duas mais novas”, conta o músico de 64 anos, ex-integrante do grupo Boca Livre.

A ideia de gravar o álbum comemorativo veio de um pedido da mulher dele, a cantora Dri Gonçalves. Nucci buscou renovar criações que marcaram sua trajetória. “Com o violão de cordas de aço, fui mudando tons e fazendo experiências. Trocava as armaduras dos acordes para mudar as tonalidades, tentando achar um tom mais baixo e adaptação melhor para obter uma levada diferente”, conta. “Esse estudo foi muito legal, me estimulou a voltar ao repertório já conhecido de todo mundo.”

Até então, o álbum “existia só na ideia”. Ele pôde ser viabilizado ao ser aprovado em um edital da Lei Aldir Blanc voltado para artistas do estado do Rio de Janeiro. “Moro em Nova Friburgo, na Região Serrana”, comenta Nucci.

O novo disco traz canções que fizeram parte da trilha de novelas (“Acontecência”, parceria com Juca Filho, de “Brilhante”; “A hora e a vez”, composta com Zé Renato e Ronaldo Bastos, de “Roque Santeiro), músicas que tocaram no rádio, como “Levezinho”, além de composições dos primeiros LPs do paulista.

As gravações ocorreram em várias regiões do país. “Por causa dessa pandemia doida, o processo foi o seguinte: eu, aqui do meu estúdio, botei um click (andamento), fiz a voz guia, toquei e gravei todas as bases de violão me imaginando cantando e a banda tocando”, conta Nucci.

As bases foram enviadas para os ritmistas Bernardo Aguiar, no Rio de Janeiro, e Rafael Lorga, em Nova Friburgo. “Convidei o Rômulo Gomes para colocar os baixos, Ricardo Silveira e Giovanni Bizzotto para gravar as guitarras, Carlos Malta para os sopros e Marcio Resende, que mora em Fortaleza, também para os sopros”.

De Natal (RN), o tecladista Eduardo Taufic se juntou ao mutirão. Outros convidados foram o acordeonista carioca Antônio Guerra e a gaitista Áurea Regina, de Ubatuba (SP). “Zé Luiz, um amigo que mora em Nova York, gravou as flautas”, informa Nucci. E Jaques Morelenbaum tocou violoncelo, além de criar o arranjo para “Me dá a mão”.

O disco saiu, mas os recursos obtidos via edital não permitiram a gravação de clipes.“É caro, outro patamar, necessita de uma grande produção”, explica o compositor. Mas o projeto incluiu making of, disponibilizado no canal do artista no YouTube, e video lyric de “Caçada humana”.

“O making of e a live show custaram uma grana. Foram usadas quatro câmeras, além de sonorização profissional, transmissão e iluminação. Tudo de primeira”, conta Nucci.

Agora, ele vai se dedicar ao novo trabalho, apesar do confinamento social imposto pela COVID-19. “Estou recém-parido, vamos assim dizer. Lancei o álbum e quero conseguir streamings nos aplicativos”, diz.

“A doença está deixando todo mundo triste, mas não podemos ficar parados. Estamos fazendo muita coisa graças a esses editais, conseguindo trabalhar. A Lei Aldir Blanc chegou numa hora legal. E é isso mesmo, o dinheiro tem que ir para a cultura também”, comenta, preocupado com trabalhadores das áreas técnicas – iluminação, sonorização, etc. –, que ficaram sem trabalho devido à suspensão de shows, espetáculos e demais eventos culturais.

FAIXAS

»  “Amor aventureiro”
De Claudio Nucci
»  “Levezinho”
De Claudio Nucci
»  “Quero-quero”
De Claudio Nucci e Mauro Assumpção
»  “A hora e a vez”
De Zé Renato, Claudio Nucci e Ronaldo Bastos
»  “Vontade de viver”
De Claudio Nucci e Luiz Fernando Gonçalves
»  “Toada”
De Zé Renato, Claudio Nucci e Juca Filho
»  “Velho companheiro”
De Claudio Nucci e Luiz Fernando Gonçalves
»  “Da nossa natureza”
De Claudio Nucci e Rafael Lorga
» “Me dá a mão”
De Claudio Nucci e Cacaso
»  “Sapato velho”
De Mú Carvalho, Claudio Nucci e Paulinho Tapajós
»   “Direto no coração”
De Claudio Nucci e Luiz Fernando Gonçalves
»  “Acontecência”
De Claudio Nucci e Juca Filho
»  “Caçada humana”
De Claudio Nucci e Aldir Blanc

“DIRETO NO CORAÇÃO – 40 ANOS DE ACONTECÊNCIAS” 
De Claudio Nucci
13 faixas
Disponível nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade