Publicidade

Estado de Minas

Craques do palco viram professores em curso de música popular da UFMG

Bacharelado instituído em 2009 tem um corpo docente de 10 profissionais que se dividem entre o palco e a sala de aula


postado em 25/08/2019 06:00 / atualizado em 25/08/2019 08:03

Mauro Rodrigues dá aula de flauta no curso da UFMG(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Mauro Rodrigues dá aula de flauta no curso da UFMG (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)


Eles fazem turnês, concertos, lançam discos, dão canja em apresentações de colegas e ainda arrumam tempo para ser professores. Artistas mineiros com carreiras consolidadas têm se destacado também dentro da sala de aula, em um curso que se tornou referência no país – o bacharelado em música popular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A graduação, a segunda do gênero no país (o primeiro curso surgiu na Unicamp), está completando 10 anos. A iniciativa fez parte do Reuni, programa de apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras, instituído em 2007, no segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Bem antes disso, em 1994, o flautista Mauro Rodrigues começou a implantar projetos de música popular na Escola de Música da UFMG, com respaldo e aceitação dos professores da vertente erudita, segundo ele diz. “As escolas de música no Brasil têm a tradição de seguir o modelo europeu. Mas, a partir do Reuni, a gente vislumbrou que era possível, sim, criar um curso todo dedicado à música popular aqui em Minas, porque algumas disciplinas já estavam sendo ofertadas como optativas”, conta. Na avaliação do professor, “o curso formou e tem formado uma geração de músicos excepcionais”. Prova de seu sucesso é que “temos recebido alunos não só de Minas, como de outros estados do Brasil e até de outros países”.

O bacharelado conta atualmente com 10 professores. Assim como Mauro Rodrigues, os demais – André “Limão” Queiroz, Cléber Alves, Clara Sandroni, Fernando Braga, Wilson Lopes, Rafael Martini, Pablo Camisão Melo de Souza (coordenador do curso), Michel Maciel e Pedro Mota – aliam a carreira acadêmica e a musical. “É uma linha muito tênue que separa o músico profissional do professor. As duas coisas andam juntas”, diz Rodrigues, que tem entre seus trabalhos mais conhecidos a Suíte para os orixás, ao lado do baterista Esdra “Neném” Ferreira.

''É uma linha muito tênue que separa o músico profissional do professor. As duas coisas andam juntas''

Mauro Rodrigues, professor e flautista

Para Limão, dar aulas é uma consequência da busca pela evolução de sua performance. “A preparação da minha aula passa pela minha preparação como músico. Minha didática é toda em cima disso. Quando você compõe uma música, quando participa de uma turnê, quando estuda algo, tudo isso se transforma em material de ensino. É uma coisa só e uma via de mão dupla”, assegura.

Os músicos/professores afirmam que até o estímulo e a satisfação com as duas atividades são similares. “A música é um legado que a gente tem a obrigação de passar adiante, seja tocando, dando aula, ou as duas coisas. A gente aprende muito ensinando também. Acho que, mais do que uma faculdade, a escola de música é um ponto de encontro, de compartilhamento de experiências. A coisa que mais me alegra nessa minha trajetória de professor é o contato com o pessoal mais novo, meus alunos. Poder transmitir alguma ciosa e também aprender. É uma troca constante”, diz Rodrigues.

André
André "Limão" rende tributo a músicos que não passaram pela academia (foto: Fabiana Pinheiro/Divulgação)
Baterista, Limão dá aulas no curso desde sua criação, em 2009, e avalia que o bacharelado em música popular é uma vitória para todos os músicos. Ainda assim, ele destaca a importância de profissionais que não passaram pela faculdade e mesmo assim se tornaram referências. “Artistas como Juarez Moreira, Lincoln Cheib, Esdra Neném, Toninho Horta tiveram uma formação fora da academia, mas que repercute dentro dela. Lá trabalhamos fundamentos em que fomos moldados graças a eles, em vários sentidos. Se hoje podemos afirmar que somos músicos renomados dando aulas, devemos muito a esses grandes nomes.”
 
O violonista e guitarrista Wilson Lopes afirma não ter dificuldades para conciliar sua agenda de diretor musical e arranjador dos discos e shows de Milton Nascimento com sua vida na UFMG. Professor desde 2010, ele até criou no curso de música popular duas disciplinas sobre a música de Bituca. “Tem a 'Milton I' e a 'Milton II', uma por semestre. Neste ano, estou unindo o útil ao agradável. Como estamos com a turnê Clube da esquina pelo país e exterior, trabalho precisamente essa temática com os meus alunos. No fim do semestre, eles vão fazer uma réplica do show do Milton”, conta.

Nas outras disciplinas que ministra, como improvisação e transcrição, ele faz questão de focar na música mineira e acha que está ali mais aprendendo do que ensinando. “Não é que eu seja bairrista, mas acho importante dar ênfase aos nossos artistas. Claro que tem outras coisas, mas nossa música é muito rica e acho importante estudá-la.”

Além de dar aulas, Wilson Lopes e os demais integrantes do corpo docente também se envolvem com questões burocráticas, já que fazem parte de conselhos e colegiados acadêmicos. “Se eu pudesse, estaria aqui todos os dias. Só quando tem show é que fica complicado, mas até nisso a UFMG é bem sensível e sabe que faz parte do nosso trabalho, até porque levo para a sala o que vivencio na estrada. Quando os alunos entram de férias, sinto muita falta”, diz Lopes, que é coordenador da Orquestra Mineira de Guitarras, formada por estudantes de música. O grupo tem apresentação agendada para 26 de setembro, na praça de alimentação da UFMG. “Esses conjuntos são fundamentais para a formação do músico popular. É um grupo criado aqui dentro.”

''Artistas como Juarez Moreira, Lincoln Cheib, Esdra Neném, Toninho Horta tiveram uma formação fora da academia, mas que repercute dentro dela. Lá trabalhamos fundamentos em que fomos moldados graças a eles, em vários sentidos''

André 'Limão' Queiroz, professor e baterista

Quem passa pelo bacharelado também tem a oportunidade de fazer parte da Gerais Big Band, que é uma matéria obrigatória nos últimos quatro semestres (o curso tem oito semestres no total). Coordenada pelos professores e músicos Cléber Alves e Rafael Martini, a orquestra é uma oportunidade para jovens artistas terem essa experiência de um grande grupo. “Vira e mexe, temos projetos com músicos convidados, como Nelson Ayres, Vittor Santos. Os alunos ainda têm a oportunidade desse contato”, cita Cléber Alves, que participou do nascimento do bacharelado.

''Tem a (disciplina) 'Milton I' e a 'Milton II', uma por semestre. Neste ano, estou unindo o útil ao agradável. Como estamos com a turnê Clube da esquina pelo país e exterior, trabalho precisamente essa temática com os meus alunos. No fim do semestre, eles vão fazer uma réplica do show do Milton

Wilson Lopes, professor e violonista

 “Eu estava na Alemanha, fazendo um curso de música popular. Mauro (Rodrigues) tinha essa intenção há algum tempo e me chamou. Muitos colegas meus na Europa sempre me perguntavam se não teria como fazer um intercâmbio no Brasil para estudar música popular aqui. O bacharelado da UFMG, assim como outros que surgiram pelo país, veio preencher essa lacuna. É um privilégio BH ter uma graduação como essa, ainda mais em uma universidade pública”, avalia Alves.

Além de dar aulas do instrumento em que é especialista – no caso de Cléber Alves, o saxofone – os professores ministram outras disciplinas, como improvisação, rítmica, arranjos, produção musical. O saxofonista afirma que a prática é um dos pontos mais importantes do aprendizado e se recorda de que, quando estava na Alemanha, os professores faziam questão de levar suas turmas para tocar em clubes de jazz. “Desde os primórdios aqui na UFMG havia essa demanda de levar os alunos para lugares externos. Assim a garotada começa a entender o mercado fora da escola. Sempre que posso, faço questão de assistir aos concertos dos meus alunos e vice-versa”, conta.

Wilson Lopes oferece as disciplinas 'Milton I' e 'Milton II', sobre a obra de Bituca(foto: Thomaz Lopes/Divulgação)
Wilson Lopes oferece as disciplinas 'Milton I' e 'Milton II', sobre a obra de Bituca (foto: Thomaz Lopes/Divulgação)
Mesmo não acompanhado diretamente um artista, como é o caso de Wilson Lopes com Milton Nascimento, Cléber Alves tem uma programação intensa. “Tenho um trabalho instrumental como compositor há anos. São vários projetos. Já lancei quatro discos. A gente sempre está se apresentando em vários cantos, não apenas sozinho, mas com amigos. Mesmo assim, consigo me dedicar muito à vida acadêmica, porque é uma responsabilidade enorme. E te digo que o fato de ter um corpo docente tão qualificado vem atraindo alunos de vários lugares. E isso é muito bacana.”


Publicidade