Publicidade

Estado de Minas SAÚDE FEMININA

Inca estima mais de 6.500 novos casos de câncer de ovário em 2022

Segundo tipo de tumor ginecológico mais comum, o câncer de ovário muitas vezes se desenvolve sem provocar sintomas, o que dificulta um diagnóstico precoce


09/05/2022 13:38 - atualizado 09/05/2022 14:28

Imagem ilustrativa de um ovário ampliado
Maio Azul - mês de combate ao câncer de ovário (foto: Freepik/Divulgação )
 

O mês dedicado às mães também traz um importante alerta para o cuidado com a saúde da mulher. Maio é marcado por uma campanha mundial de conscientização do câncer de ovário, doença que, na maioria dos casos, tem diagnóstico tardio.

 

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), este é o segundo tipo de tumor ginecológico mais comum, atrás apenas do câncer de colo do útero. Ainda conforme a entidade, a estimativa é que só neste ano sejam diagnosticados 6.650 novos casos da enfermidade.

 

A oncologista clínica Daniella Pimenta, que faz parte do corpo clínico da Cetus Oncologia, afirma que o maior dos problemas desta neoplasia se dá pelo fato de que muitos pacientes não apresentam sintomas em estágios iniciais da doença, dificultando, assim, o diagnóstico precoce.

 

Leia também: Densidade mamária e o câncer de mama

 

"Acúmulo de líquido abdominal, a denominada 'ascite', dor e aparecimento de um tumor pélvico, além de alterações gastrointestinais são possíveis indícios de que a neoplasia possa já estar instalada", explica a médica.

 

Para detectar o tumor, ao contrário de outros cânceres, como o de mama e próstata, Daniella destaca que não existe nenhum tipo de exame de rastreamento para a população em geral. "Quando temos suspeita [da doença], podem ser feitos alguns exames de imagem, entre eles a tomografia, ressonância e o ultrassom endovaginal. Eles auxiliam no diagnóstico", pontua Daniella.

 

Idade avançada e mutações de herança familiar são os principais fatores de risco para a doença. De acordo com a especialista, pacientes com histórico familiar de câncer de mama e ovário precisam ser investigadas para averiguar uma mutação genética, que, quando identificadas representam uma maior probabilidade para o desenvolvimento da neoplasia.

 

Nesses casos, pode-se discutir a realização da cirurgia profilática, a "salpingooforectomia e mastectomia bilaterais", para a retirada dos ovários e mamas preventivamente. Contudo, a tomada de decisão para a realização deste tipo de procedimento envolve análise de diversos profissionais que acompanharão o caso (oncologista, ginecologista, cirurgião e geneticista, por exemplo).

 

Entre outros fatores de risco associados ao câncer de ovário, estão uma maior exposição a hormônios (menarca precoce ou menopausa tardia), pacientes sem filhos(nuliparidade) e síndromes genéticas como a Síndrome hereditária de câncer de mama e ovário e a síndrome de Lynch, condição genética hereditária que aumenta o risco de desenvolver tumores como o de cólon, endométrio e outras neoplasias.

 

Uma vez identificada a doença, o tratamento dependerá do estágio em que ela se encontra, no entanto, na maioria dos casos, é necessária a realização de cirurgia seguida por algum tipo de quimioterapia acompanhada de uma terapia de manutenção, com uso de medicamentos orais, ou até mesmo a 'quimio' isolada. "Tudo é discutido caso a caso, de acordo com o perfil da paciente. Sempre é recomendada uma avaliação de um oncologista para a escolha do tratamento ideal", ressalta Daniella.

 

Prevenção

 

Como a doença é difícil de ser identificada logo no início e muitas vezes se desenvolve de forma silenciosa, Daniella Pimenta afirma ser essencial que as mulheres fiquem atentas a qualquer alteração no corpo e observem a presença de fatores de risco. "Além disso, devem manter uma alimentação balanceada, rotina de exercícios e controle do peso. Esses hábitos saudáveis ajudam, inclusive, a prevenir outros tipos de cânceres".

 

Segundo aponta a especialista, também é imprescindível manter o acompanhamento médico periódico, principalmente a partir dos 50 anos. "Se há casos da doença na família, o ideal é procurar um profissional médico para orientações acerca de opções de rastreamento e prevenção", reforça.

 

* Estagiária sob supervisão da editora Ellen Cristie.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade