Publicidade

Estado de Minas OUTUBRO ROSA

Câncer de mama: médicos mineiros estudam exame barato, preciso e eficiente

Pesquisa sobre mamografia contrastada propõe método como alternativa à ressonância magnética das mamas, exame de custo elevado e pouco disponível no SUS


07/10/2021 10:03 - atualizado 07/10/2021 17:57

Profisisonal de saúde vestida com jaleco branco opera um mamógrafo, aparelho utilizado para análise das mamas
Semelhante à mamografia tradicional, a angiomamografia utiliza o contraste de iodo para proporcionar análises mais precisas (foto: Henrique Couto/Divulgação)
Um estudo conduzido por mastologistas de Minas Gerais com pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) de Belo Horizonte pode elevar o padrão de tratamento do câncer de mama no Brasil. 

Inédita no país, a pesquisa é assinada pelos mastologistas Érica Condé e Henrique Couto, que buscam demonstrar as vantagens da mamografia contrastada ou angiomamografia na abordagem da doença, sobretudo como alternativa à ressonância magnética das mamas, recurso caro e pouco disponível na rede pública.
 
Financiado pelo grupo francês Guerbet, o trabalho compõe a dissertação de mestrado de Érica, em desenvolvimento na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). 

A médica explica que a mamografia contrastada é semelhante à tradicional: a diferença é que a paciente recebe uma dose intravenosa de contraste de iodo. Isso permite ampliar o alcance do exame ao patamar da ressonância mamária, padrão ouro da quimioterapia neoadjuvante - aquela que a paciente toma antes de ser operada. 

“Assim como a ressonância, a mamografia contrastada possibilita avaliar a resposta do tumor ao tratamento quimioterápico e, assim, planejar a cirurgia com mais precisão e segurança. O especialista também consegue identificar eventuais lesões ocultas, o que resulta num tratamento mais preciso”, afirma Érica Condé. 

“A vantagem é que esse método é até 60% mais econômico, pois dispensa os aparelhos de ressonância que, além de caros, também têm alto custo de manutenção e demandam profissionais altamente treinados para operação e elaboração de laudos”, complementa a mastologista. 
 

Comodidade


Orientador do estudo e presidente do departamento de Imagem Mamária da Sociedade Brasileira de Mastologia, Henrique Couto ressalta que a angiomamografia é também mais cômoda, já que dura menos da metade do tempo da ressonância. “É uma opção para quem tem claustrofobia, por exemplo, já que a pessoa não precisa ficar 40 minutos imóvel dentro de uma máquina”, pondera. 

Segundo o médico, a mamografia de contraste é largamente adotada em países europeus, como Espanha, França e Itália, além dos Estados Unidos. No Brasil, o procedimento é aprovado pela Anvisa, mas ainda é pouco utilizado. A ideia é que os dados produzidos a partir da análise das pacientes brasileiras possam embasar futuras políticas públicas de saúde. 

Com o estudo aprovado no Comitê de Ética e Pesquisa do Comitê Nacional de Saúde, os pesquisadores trabalham, no momento, na seleção de 40 mulheres diagnosticadas com câncer na capital mineira oriundas do SUS. A previsão é de que experimentos sejam concluídos até o fim de 2022. 

Câncer de mama

O tumor mamário é o que mais atinge as mulheres no Brasil e no mundo. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que, de 2020 até 2022, 66.280 novos casos da doença sejam diagnosticados no país. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade