Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Estudo aponta um caminho promissor contra as demências

Pesquisadores apontam associações significativas entre composição da flora intestinal e o surgimento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer e Parkinson


20/05/2021 04:00 - atualizado 19/05/2021 16:37

Descobertas podem contribuir para o desenvolvimento de novos tratamentos e medidas preventivas para esses males incuráveis(foto: Claudio Romeo/Pixabay)
Descobertas podem contribuir para o desenvolvimento de novos tratamentos e medidas preventivas para esses males incuráveis (foto: Claudio Romeo/Pixabay)


Doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson, afetam milhões de pessoas em todo o mundo e desafiam cientistas, que conhecem pouco sobre elas.

Pesquisas recentes mostram que alterações na microbiota intestinal podem estar envolvidas no surgimento dessas enfermidades, e os resultados de experimentos nesses trabalhos têm sido promissores em animais e humanos. 

Há avanços tanto ao se modificar a diversidade das bactérias que compõem o intestino quanto ao promover mudanças no regime alimentar. Segundo especialistas, as descobertas podem contribuir para o desenvolvimento de novos tratamentos e novas medidas preventivas para esses males incuráveis.

Pesquisadores da área cognitiva observaram que indivíduos com doenças neurodegenerativas apresentam alterações na composição bacteriana do trato digestivo. No entanto, dada a vasta diversidade desses microrganismos, identificar quais bactérias podem estar associadas ao problema é muito difícil.

“Avaliar o microbioma é uma abordagem relativamente nova dentro das investigações que buscam desvendar o que causa as doenças neurodegenerativas. Para nos aprofundar nesse tema, resolvemos usar como objeto de estudo inicial um pequeno animal”, conta ao Estado de Minas Daniel Czyz, pesquisador da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos.

Czyz e sua equipe escolheram estudar o verme Caenorhabditis elegans. Eles adicionaram bactérias diversas nos animais, todas marcadas com uma cor fluorescente. Por meio de um microscópio, observaram que algumas bactérias produziram proteínas tóxicas relacionadas ao surgimento de doenças neurodegenerativas.

“Identificamos esses agregados tóxicos e vimos que esse acúmulo prejudicial acontecia não apenas nos tecidos intestinais, onde as bactérias foram postas, mas em todo o corpo dos vermes: nos músculos, nos nervos e até nos órgãos reprodutivos”, detalha, por meio de um comunicado, Alyssa Walker, pesquisadora da universidade americana e autora do estudo.

Todos os animais do estudo que apresentaram acúmulo das substâncias tóxicas enfrentaram problemas de locomoção – uma das dificuldades geradas por doenças neurodegenerativas –, e os descendentes dos vermes afetados também mostraram um aumento na agregação de proteínas prejudiciais. Os especialistas destacam que mais testes precisam ser feitos, mas consideram que o resultado atual abre as portas para o desenvolvimento de novas terapias.

“Também vimos que algumas bactérias produzem compostos que neutralizam essas proteínas más. Estudos recentes mostraram que os pacientes com Parkinson e Alzheimer são deficientes nessas bactérias ‘boas’. Nossos dados podem ajudar a explicar essa conexão e abrir uma área de estudo voltada para o desenvolvimento de fármacos que aumentem ou reduzam determinados microrganismos”, acrescenta Walker.

VACA LOUCA

Um estudo chinês também mostrou que o acúmulo de proteínas tóxicas na flora intestinal pode gerar danos ao cérebro. Cientistas da Universidade Chinesa de Hong Kong injetaram proteína beta amiloide com uma marcação fluorescente no intestino de camundongos. O acúmulo dessa substância no cérebro está relacionado ao Alzheimer em humanos.

Devido à marcação verde, pode-se acompanhar a movimentação das amiloides e observar que, em alguns meses, elas viajaram para o “sistema nervoso” do intestino. Um ano depois, a proteína também foi identificada no cérebro das cobaias, em áreas envolvidas com déficits cognitivos, incluindo o hipocampo, a parte do cérebro que afeta a memória.

“Esse sistema é semelhante ao que acontece na doença da vaca louca, provocada pelo acúmulo de substâncias tóxicas que viajam do intestino para o cérebro. É possível que um processo semelhante aconteça em humanos muitos anos antes das manifestações das características clássicas do Alzheimer, incluindo perda de memória. Por isso, estratégias de prevenção também precisam começar mais cedo”, defende John A. Rudd, pesquisador da universidade chinesa e principal autor do estudo.

Carlos Uribe, neurologista do Hospital DF Star, da Rede D’Or, em Brasília, avalia que, apesar de iniciais, os estudos científicos que relacionam a microbiota e doenças neurodegenerativas entram em concordância com observações clínicas.

“Sabemos que algumas doenças, como a da vaca louca, acontecem por esse sistema, pelo qual proteínas tóxicas conseguem ultrapassar barreiras e chegar ao cérebro. Isso acontece porque, no intestino, nós também temos células nervosas, que auxiliam nessa passagem para o sistema neural”, explica.

Para o médico, a boa notícia é que as bactérias podem ser modificadas, o que abre as portas para novas terapias. “Não existe cura para essas enfermidades. Por isso, todas as estratégias que temos focam na prevenção. Mudar a composição da microbiota não é algo tão complicado, pode ser feito com uma dieta mais saudável”, avalia.

“Também já temos alguns suplementos alimentares que têm demonstrado resultado em pacientes na fase inicial do Alzheimer. Mais recentemente, um extrato de algas feito na China mostrou-se promissor nessa tarefa. São dados novos, mas que podem evoluir bastante nos próximos anos.”


Mudança alimentar


Mais próximos da nossa realidade, estudos que alteram a dieta para avaliar relações entre a microbiota intestinal e doenças neurodegenerativas também começam a mostrar resultados significativos. Recentemente, cientistas da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, descobriram que a ingestão de soja pode ajudar a combater a demência.

Eles acompanharam idosos por seis a nove anos e constataram que aqueles que tinham o hábito de consumir o grão apresentavam volumes reduzidos de lesões na substância branca, que são fatores de risco para declínio cognitivo e demência.

Um grupo da Universidade de British Columbia, no Canadá, observou que a dieta MIND pode estar ligada a um atraso no surgimento dos sintomas de Parkinson. “Nas mulheres que seguiram a dieta, o atraso de problemas neuromotores foi de até 17,4 anos e de 8,4 anos nos homens”, conta Avril Metcalfe-Roach, autora do estudo e pesquisadora da universidade.

Segundo Viviane de Castro, nutricionista da clínica Renoir, em Brasília, os resultados são extremamente positivos, pois comprovam os benefícios que uma dieta equilibrada proporciona a todo o organismo, incluindo o cérebro. A especialista explica que o regime MIND une elementos de outras duas dietas – a mediterrânea e a Dash.

“Os alimentos que são consumidos por quem segue a MIND são ricos em antioxidantes, repletos de benefícios ao organismo, incluindo o cérebro, além de peixes e grãos integrais, que são ricos em fibras, essenciais para a regulação do intestino.”

A nutricionista enfatiza que, como mostram as pesquisas científicas, a alimentação saudável gera muitos ganhos à saúde neural, o que faz dela uma importante ferramenta preventiva às doenças neurodegenerativas. “Cuidar da microbiota é uma estratégia preventiva muito útil. Às vezes, quando falamos de dieta, as pessoas focam mais na estética, mas temos que ter na cabeça que hábitos saudáveis geram benefício para a saúde em geral e podem contribuir para impedir o surgimento de problemas incuráveis.”

SAIBA MAIS


A Dash é um plano alimentar que busca principalmente diminuir a pressão arterial, mas também tem sido usado para reduzir o peso e controlar o diabetes. Vegetais, frutas, grãos integrais e carnes magras fazem parte do cardápio de quem a segue, além de pouquíssimo sal. A dieta mediterrânea também inclui esses alimentos, que devem ser comidos frescos, além de sementes e óleos não gordurosos, como azeite.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade