Publicidade

Estado de Minas #PRAENTENDER

Vídeo: como não surtar na quarentena do coronavírus

A gente sabe, não está fácil para ninguém. Um infectologista e uma psicóloga nos ajudam neste vídeo #praentender


postado em 08/05/2020 07:00 / atualizado em 08/05/2020 07:56


Limpou o álcool em gel com álcol em gel? Deslizou entre as gôndolas do supermercado como se estivesse em um filme de ação? Lavou as mãos até a pele ressecar? Não sabe lidar com o hiper convívio dos familiares, nem com a solidão? Você pode até estar isolado, mas, acredite, não está sozinho. 

O distanciamento social, imposto como medida de controle da pandemia do novo coronavírus, desafia a sanidade mental de todos. Por isso, fizemos o vídeo abaixo, #praentender como amenizar o impacto desse problema.

Do ponto de vista coletivo, estamos lidando com um problema gravíssimo: acomete o mundo inteiro e é altamente transmissível. 

"Por acometer muitas pessoas ao mesmo tempo, proporcionalmente, os poucos que agravam vão significar um número muito elevado de casos graves e também de pessoas que vão morrer. Mas no âmbito individual, mesmo pra quem é idoso, mesmo pra quem tem condições crônicas, o risco de que tudo corra bem é muito maior do que ter complicações e evoluir para o óbito", explica o infectologista Mateus Westin.

Esse é um tranquilizador que em medida nenhuma pode significar relaxamento das medidas de mitigação da transmissão porque aí entra o senso coletivo.

Mateus Westin, infectologista



De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o Brasil já era antes da pandemia o país mais ansioso do mundo. Com a quarentena, as pessoas podem começar a sentir mais ansiedade, principalmente diante das incertezas do futuro.

A psicóloga e presidente da Comissão de Orientação e Ética do CRP-MG, Rita Almeida, destaca que é necessário filtrar que tipo de informações acessamos: “A internet traz um excesso de notícias e informações, e nem sempre boas informações, informações de qualidade”. 

Por isso, é importante que você não divulgue mensagens de WhatsApp sem que se tenha certeza da procedência da fonte. As redes sociais também podem criar alarmismo.

Alimentar a alma nesse momento é muito importante. A gente tem que tentar manter isso presente na nossa vida.

Rita Almeida, presidente da Comissão de Orientação e Ética do CRP-MG



Para aquelas famílias cheias de gente, a dica é entender que cada um tem um tempo. É necessário dar às pessoas espaço para que elas possam ficar sozinhas, curtindo a própria companhia. 

Veja as dicas completas no vídeo #praentender


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade