Publicidade

Estado de Minas #PRAENTENDER

Caso Pugliesi: por que evitar festinhas em tempos de coronavírus

Para quem ainda não captou, a gente desenha. Compartilhe o vídeo #praentender


postado em 30/04/2020 16:24


A festinha que a influenciadora Gabriela Pugliesi deu com alguns amigos em casa rendeu um pedido de desculpas depois de uma enxurrada de críticas. A moça ainda perdeu contratos e apoio de marcas pressionadas diante da atitude que rompe o isolamento - medida defendida por especialistas para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. Mas um encontrinho tem problema? Tem. Veja abaixo o vídeo #praentender.

"Mesmo que for fazer uma festa com seus amigos, por exemplo, vai juntar 10 pessoas, 7 pessoas, 15 pessoas. Cada uma dessas pessoas mora em locais separados da cidade, tem contato com mais um tanto de pessoas e alguma delas pode estar na fase assintomática da infecção", diz o professor da Faculdade de Medicina da UFMG Unaí Tupinambás. Ele integra o comitê de enfrentamento à COVID-19 da universidade e da Prefeitura de Belo Horizonte.

Com a efetividade do isolamento, a doença fica ainda mais invisível. E aí mora um grande perigo. É o paradoxo da epidemia: em Belo Horizonte, por exemplo, foi possível até aqui retardar o contágio do coronavírus e não há estrangulamento na estrutura hospitalar. 

Assim, as pessoas não vêem as consequências do descontrole e acham que está tudo bem flexibilizar. Só que não.

Veja o vídeo #praentender porque, mesmo com flexibilização das regras de isolamento, é preciso estar atento ao distanciamento social.


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade