Publicidade

Estado de Minas

Conheça a biomedicina, profissão que vem ganhando força no mercado

Mesmo com a crescente procura por especialistas na área, a biomedicina é cercada de dúvidas


postado em 20/11/2019 09:00

Um dos ramos mais valorizados no meio da saúde é o de inovação, e é nesse ponto de inovar que o Biomédico se encaixa(foto: Ju Foini/ Divulgação )
Um dos ramos mais valorizados no meio da saúde é o de inovação, e é nesse ponto de inovar que o Biomédico se encaixa (foto: Ju Foini/ Divulgação )
Desde 1996, a biomedicina é prática no Brasil, porém a profissão ainda pode causar dúvidas devido às mudanças que ocorreram nesses 23 anos. “O curso passou por diversas modificações curriculares, ampliando as suas habilitações e qualificando seus profissionais com amplitude na área da saúde, possibilitando diversas opções para escolha da atuação profissional”, afirma Thiago Martins, biomédico esteta e professor de cursos de pós-graduação em estética pelo Nepuga (Núcleo de Estudos Dra. Ana Carolina Puga). 

A possibilidade da biomedicina voltada para área da estética começou a ser cogitada em 2006, quando por meio da articulação política de uma biomédica do interior de São Paulo que contou com a participação do Presidente do Conselho Federal de Biomedicina (CFBM), Dr. Silvio Cecchi. Na época a  biomédica, Ana Carolina Puga, chegou a ser convocada para cursar medicina na Universidade Estadual Paulista após passar no processo seletivo, mas optou pela Biomedicina, e acabou mudando o rumo da profissão, contribuindo pela criação do 'braço' da biomedicina estética, que atualmente é responsável por gerar a maior parte dos novos interessados nesse ramo.  
 
“A partir dessa articulação em 2006, uma discussão na rede social Orkut foi iniciada e, depois disso, feito um abaixo-assinado convocando todos os estudantes e biomédicos formados, que enviaram centenas de cartas e e-mails para a biomédica demonstrando apoio à causa, dando início a uma campanha de articulação com palestras dentro das universidades. Em 10 de Outubro de 2010, a Biomedicina Estética foi aceita como área de atuação legítima do Biomédico em plenária com todos os membros do CFBM e biomédicos envolvidos com a causa, estabelecendo-se como a 36ª habilitação dos biomédicos. Neste dia, houve a criação da Biomedicina Estética”, lembra o biomédico.  

Hoje, o biomédico pode exercer diversas funções. “Com essas mudanças ao longo dos anos, o profissional da Biomedicina pode atuar investigando doenças em busca de soluções, mas também ganha cada vez mais espaços para fazer jus ao seu conhecimento além do trabalho em laboratórios de análise ou a área clínica. Exemplo disso é a especialização em Biomedicina Estética, que pode aparecer como matéria já na graduação (dependendo da grade curricular da instituição), ou complementando a carga horária nos estágios obrigatórios, e pode ser cursada também a partir de Pós-Graduação nesta área”, revela Thiago.


Dia do Biomédico

 
  Esta quarta-feira,20, é celebrado o dia do Biomédico, a data lembra a importância do profissional e  chama atenção para as multifunções que a profissão pode exercer. “A data ajuda a mostrar a diversidade das aplicações da nossa profissão.  Biomedicina, por si só, ainda é pouco, e menos conhecida ainda a sua abrangência técnica e prática para atuar de forma consistente e sólida em diversos segmentos. A biomedicina estética, por exemplo, já tem colocado no mercado profissionais capacitados a associar o entendimento da saúde do corpo à prescrição e realização dos tratamentos estéticos com segurança e embasamento. A data é relevante também pelo crescimento da área e para homenagear esse profissional da saúde que trabalha em parceria com os médicos e demais profissionais de saúde, possuindo relevância em diversas áreas de atuação”, comemora Martins. 
Thiago Martins, biomédico esteta e professor de cursos de pós-graduação em estética pelo Nepuga (Núcleo de Estudos Dra. Ana Carolina Puga)(foto: Ju Foini/ Divulgação)
Thiago Martins, biomédico esteta e professor de cursos de pós-graduação em estética pelo Nepuga (Núcleo de Estudos Dra. Ana Carolina Puga) (foto: Ju Foini/ Divulgação)

O crescimento

 
A volta de surtos, como a  febre amarela, por exemplo, e o aparecimento de doenças trouxeram a tona a presença de um novo profissional capaz de contribuir na busca de novos diagnósticos, o biomédico. “Acredito que a procura cresceu, principalmente, devido a essa evolução no campo de atuação, já que, no passado, o objetivo do curso de Biomedicina era o da formação de pesquisadores científicos nas áreas de ciências básicas. Entretanto, ao longo dos anos, percebeu-se que o profissional possui conhecimento suficiente para auxiliar em pesquisas nas áreas de ciências aplicadas, e para especializar-se e ocupar inúmeras outras funções no mercado fora da pesquisa”, conta Thiago. 
 
De acordo com dados do Conselho Federal de Biomedicina divulgados no segundo semestre de 2017, atualmente no pai%u0301s há cerca de 50 mil profissionais biome%u0301dicos habilitados nas mais diversas especialidades. Além da área de estética, o diagnóstico por imagem também tem atraído estudantes.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade