Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas O BRASIL VISTO DE MINAS

Governos contra a política e as extravagâncias brasileiras recentes

Escolher um presidente cujo propósito é lutar contra o Judiciário, os partidos e os políticos, é na verdade ir em busca de um desgoverno, não de um governo


22/11/2021 04:00 - atualizado 22/11/2021 07:26

Congresso Nacional
No sistema brasileiro a separação de Poderes dá ao Congresso e aos partidos autonomia em relação ao presidente, que depende da coalizão para governar (foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 15/7/21)


A política brasileira sempre teve suas extravagâncias e nenhuma delas levou a um bom desfecho. Sempre que a ordem normal das coisas prevaleceu os resultados foram melhores. Para as pessoas da minha geração a primeira anormalidade ocorreu quando a UDN, partido das elites e dos bacharéis, cansada de perder eleições, tomou emprestado um aventureiro de um partido desconhecido, para disputar a eleição em seu nome. O personagem era Jânio Quadros e ganhou a eleição com um discurso moralista e demagógico.  Sem conseguir verdadeiramente governar, renunciou seis meses depois, precipitando o país num abismo por 24 anos.

Na primeira eleição presidencial da redemocratização nova aventura, chamada Collor,  se ofereceu aos eleitores sem memória, parodiando o discurso moralista de 1960 e prometendo combater os "marajás", entidade indefinida, feita na medida para satisfazer a todas as formas de ressentimento. O modelo foi semelhante. Uma novidade, vinda de um partido inventado para a ocasião, chegava para acabar com a política, mesmo que a política naquela hora fosse Ulysses Guimarães, Mário Covas, Aureliano Chaves, Brizola e até o Lula. Ganhou a eleição mas fez um governo caótico e tumultuado, que terminou com um impeachment e o país desorganizado e em frangalhos.

Volto a estes episódios quase esquecidos para lembrar que a democracia está sempre sujeita a essas extravagâncias e que elas podem voltar a ocorrer. Os juízos políticos nas democracias de massa são quase sempre fundados em emoções de superfície e raramente na razão. Para conciliar a vontade popular com as exigências de governar sociedades complexas e cada vez mais diversas e informadas – ou mal-informadas –  é necessária a mediação das instituições políticas, em especial o Parlamento e os partidos políticos. Não há caminho alternativo.

Estamos vivendo hoje tempos semelhantes, com a política correndo fora dos trilhos. O atual presidente se elegeu fora dos partidos e com um discurso contra a política. Uma vez eleito, descobriu que em nosso sistema constitucional,  governos sem maioria própria no Congresso podem pouca coisa a não ser falar de seus planos e reclamar da falta de poder.

Governar apenas com discurso não é suficiente.  Afinal as pessoas tem problemas reais e esperam que o governo os resolva. Em busca de salvar o governo ainda a tempo, o presidente buscou apoio onde era possível. Acabou deixando seu partido e se associando aos políticos do Centrão, último refúgio de todos os governos em crise, a quem tanto havia criticado nos discursos de campanha. Os temas da eleição foram para o arquivo mas uma parte das pessoas sempre perdoa essas coisas.

Até aí temos uma história que não é propriamente original. O inusitado é que nosso presidente, pela primeira vez na história, não está mais filiado a qualquer partido e anda à procura de uma legenda para disputar a reeleição e, se vencer, continuar governando do mesmo modo, sem sustentação organizada no Congresso e sem nenhuma ambição de reformar a vida do país. A ideia parece ser apenas estar no poder, mesmo que para nada.

Nosso sistema constitucional funciona dentro de certas regras, que são universais na democracia. Os Poderes são separados e independentes. O Legislativo funciona com base na vontade popular representada pelos partidos políticos. Escolher um presidente cujo propósito é lutar contra o Judiciário, os partidos e os políticos,  é na verdade ir em busca de um desgoverno, não de um governo. Ou então é sonhar para que o presidente consiga destruir ou dominar os outros Poderes. Neste caso, estaremos simplesmente escolhendo a ditadura pelo voto, como estamos vendo em muitas partes do mundo.

As previsões da meteorologia política são inquietantes. Nestas eleições podemos ter candidato contra a política no governo e até na oposição. Que ninguém se iluda:  votar contra a política é votar contra a vida democrática. Que cada um tenha isto claro na consciência no primeiro domingo de outubro de 2022. O preço pode ser muito alto.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade