Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas O BRASIL VISTO DE MINAS

Novo problema: A judicialização da política e a politização da Justiça

Lava-Jato, no seu início, demonizou a política; no seu final, demonizou a própria Justiça e vai acabar tornando inocentes os culpados


08/11/2021 04:00 - atualizado 08/11/2021 07:16

Sergio Moro
Sergio Moro foi ministro do governo que ajudou a eleger e agora deve disputar a Presidência da República (foto: CARL DE SOUZA/AFP)

Por que um país tão rico em toda a sorte de recursos como o Brasil há 40 anos não consegue crescer sua economia como os demais países do mundo? Quando se trata de olhar para o futuro esta é a questão fundamental.

Há poucos dias a OCDE – Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico –, instituição constituída pelos Estados mais ricos do mundo, divulgou um relatório em que projeta a situação de uma lista de países no período de hoje até 2060. Usando como medida a renda per capita dos países em relação à renda dos Estados Unidos, o documento é uma estimativa do potencial de crescimento durante este longo período.

Hoje a renda dos brasileiros equivale a 22,9% da renda dos americanos. Para efeito de comparação, a renda da China hoje corresponde a 29,1%, a da Índia 10,8%, a da Argentina 28,0% e a da África do Sul 18,4%. Segundo as previsões da conceituada instituição, à qual o governo brasileiro muito se empenha em se associar, com o propósito de validar as suas políticas aos olhos da comunidade internacional, em 2060, estaremos relativamente piores do que hoje.

Neste momento do futuro, a renda dos chineses vai equivaler a 51% da renda dos americanos, a dos indianos a 28,1%, a dos argentinos a 31,6% e dos sul-africanos a 28,1%. A do Brasil vai ser igual a apenas 27,4%, abaixo de todos esses países emergentes. Temos pela frente um futuro medíocre e sombrio se não mudarmos, e mudarmos muito.

O baixo crescimento do Brasil, que começou em 1980 e, ao que parece, pode continuar ainda por muito tempo, é um enigma que, na minha opinião, só pode ser explicado pelo mal funcionamento das instituições.

Seria enfadonho enumerar as misérias do governo e do Parlamento, mas um novo problema começa a atuar para piorar a vida do país. Falo aqui da judicialização da política e da politização da Justiça. A história começou, é necessário que se registre, com o Partido dos Trabalhadores. Quando ainda oposição e minoritário no Congresso, o partido apelou sistematicamente para os tribunais, com o intuito de reverter derrotas no Legislativo ou de paralisar o governo, dando início a uma  confusão institucional que se agravou com o tempo.

Atualmente, a política não está mais restrita geograficamente aos corredores da Câmara e do Senado. Ela se estende aos bastidores dos tribunais,  que detém muitas vezes a palavra final em processos exclusivamente políticos. Isto claramente deforma a democracia e provoca desconfiança da sociedade na motivação das decisões judiciais.

Nada contribui mais para esta desconfiança do que o comportamento dos principais atores da Operação Lava-Jato. Por mais méritos que tenha tido ao revelar os subterrâneos da corrupção sistêmica que afligia o Estado brasileiro, a operação produziu efeitos políticos de grande alcance, sendo o principal fator na eleição presidencial, nas eleições de governadores e na formação da Câmara e do Senado. Assim sendo, seus agentes deveriam manter um comportamento absolutamente irrepreensível, para resguardar a imagem social de sua imparcialidade. Não foi o que fizeram.

O juiz Sérgio Moro renunciou à magistratura e se tornou ministro do governo que suas decisões ajudaram a eleger e agora se prepara para concorrer à própria Presidência da República, exibindo como capital político suas decisões como juiz.  Se as sentenças dos juízes se tornarem corriqueiramente um caminho para a política, não haverá mais Justiça nem Estado de direito. Será a desordem, nada menos do que isso.

Para completar,  o líder dos procuradores da operação, com longa carreira à sua frente, decidiu acompanhar o juiz, demitiu-se do cargo, vai se filiar ao mesmo partido e pretende construir na própria política o que tentou fazer impropriamente como agente da Justiça. A triste conclusão é que, se a Lava-Jato no seu início demonizou a política, no seu final demonizou a própria Justiça e vai acabar tornando inocentes os que são, na verdade, culpados.

Com as instituições funcionando deste modo, nosso futuro foge de nossas mãos.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade