Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ROBERTO BRANT / O BRASIL VISTO DE MINAS

Governos deveriam existir para governar e não apenas para vencer eleições

O Brasil se encontra ainda em estado de convalescença, inspirando cuidados


postado em 17/02/2020 06:00 / atualizado em 17/02/2020 07:54

Bolsonaro colocou militares da ativa em posições do governo que civis ocuparam nos governos militares(foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil- 5/9/19)
Bolsonaro colocou militares da ativa em posições do governo que civis ocuparam nos governos militares (foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil- 5/9/19)

Tomando de empréstimo uma autodefinição do grande pensador francês Raymond Aron, cuja vida e cujas idéias de resistência continuam inspiradoras, eu tenho sido um "expectador engajado" da vida política brasileira, seja sofrendo de longe suas vicissitudes, seja participando, mesmo que marginalmente, de alguns momentos definidores. Já presenciei momentos de vazio político, nos quais o destino de nosso país parecia esfumar-se sem direção, assisti a horas de desordem e de insensatez e, como não poderia deixar de ser, vivi também épocas de regeneração e de esperança. Por isto assisto com inquietação o momento atual, que me parece de grande indefinição e de ausência de rumo estratégico.

Desde o fim do governo Dilma o país deixou de piorar. Negar o desastre econômico que estava se formando naquele tempo é um triste exemplo de até que ponto a opinião política pode desfigurar a mente humana, que evoluiu para conhecer e para compreender. É também fora de qualquer dúvida que os conturbados anos do governo Temer foram de regeneração, seja no plano das contas públicas, seja no controle da inflação, na grande redução dos juros básicos e até no funcionamento da Petrobras.

O atual governo Bolsonaro manteve a mesma direção na economia, acrescentando uma reforma da Previdência bastante ampla, que melhora muito as perspectivas futuras do país. No plano das intenções temos pela frente uma série de medidas que, se efetivamente ocorrerem, vão permitir que o país retorne para uma trajetória de crescimento. No entanto, há nuvens no horizonte, pois o balanço das conveniências eleitorais começa a pesar ainda muito cedo nas decisões do governo.

O Brasil encontra-se ainda em estado de convalescença, inspirando cuidados. É preciso, mesmo que por um tempo limitado, que a maioria da sociedade se esqueça da luta política, da obsessão por competir, vencer e prevalecer. E quem tem que dar o primeiro exemplo é o próprio governo. Governos deveriam existir para governar e não apenas para vencer as próximas eleições. Sinto no ar uma espécie de paralisia política e pode perfeitamente ocorrer que a cooperação governo-Congresso, que tão bem funcionou no primeiro ano, deixe de existir.

Uma outra questão que merece discussão é a crescente presença de militares da ativa, em posições que até o regime militar reservou para políticos civis. O atual governo mantém uma opinião de que o os anos de governo militar foram de êxito inquestionável e que a transição para os governos constitucionais e civis trouxe mais problemas para o país. Está não é a completa verdade histórica, qualquer que seja o ponto de vista ideológico.

É verdade que nos seus primeiros anos o regime militar promoveu uma grande modernização institucional da economia brasileira, praticamente assentando os fundamentos que funcionam até hoje. Os resultados econômicos vieram rapidamente, tal o efeito que a racionalidade exerce sobre o Estado. Abriu-se um novo ciclo virtuoso e o crescimento da economia durou de 1966 até meados dos anos 70. O que não se pode omitir é que esta tarefa foi confiada a especialistas civis como Roberto Campos, Octávio Bulhões e Delfim Neto.

Concluído o saneamento da economia e devolvida a ordem à vida social, a volta da normalidade foi desnecessariamente lenta. No plano econômico o poder absoluto levou a erros absolutos, quando o governo Geisel impôs à economia uma marcha forçada, da qual resultou a volta da inflação e a insolvência externa.

No capítulo final, foi imposta ao país uma longa agonia de seis anos, com o mandato do presidente Figueiredo se arrastando sem apoio da sociedade e sem capacidade de enfrentar os problemas econômicos, que chegariam ao auge justamente na passagem para o governo civil. A verdade histórica é que o governo militar nos salvou, no começo, de um desastre, mas nos legou, ao final, um novo desastre. É preciso voltar aos fatos para não se deixar iludir pelo mito.

Pensar que a sociedade e as instituições civis são um problema é um mau sinal para nosso futuro.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade