Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas O BRASIL VISTO DE MINAS

Governar apenas para aliados é deixar de lado projeto de nação

São necessários governos unificadores, que compreendam as diferenças e que falem para todos, com o propósito permanente de unir e de pacificar


postado em 20/01/2020 04:00 / atualizado em 20/01/2020 07:11

O crescimento, a igualdade e a felicidade nunca caem dos céus. São obra dos homens em sociedade. Separados, os homens não prosperam(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
O crescimento, a igualdade e a felicidade nunca caem dos céus. São obra dos homens em sociedade. Separados, os homens não prosperam (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

Todas as nações alternam em suas histórias bons e maus momentos. Nos bons, suas economias crescem em benefício da maior parte da população  e a política não consegue abalar os fundamentos da vida social. As crises e os conflitos, tão naturais e recorrentes na vida política, ficam segregados, sem descer à vida das pessoas e as atividades da economia.

Nos maus momentos, desempenho irregular da economia e conflitos distributivos entre classes e setores se misturam a desentendimentos e rupturas no sistema político e à politização geral da vida. São os ciclos da existência nas sociedades livres. Os países felizes são naturalmente aqueles em que no longo prazo os bons momentos prevalecem sobre os maus, mais do que compensando as fases baixas do ciclo histórico. Infelizmente, esse não parece ser o caso do nosso país.

'Na década de 50, tivemos dois estadistas na Presidência - Getúlio Vargas e Juscelino. Governaram em meio aos mais intensos conflitos, conflitos que não foram criados por eles e que eles suportaram, sem ferir a nação. Governaram para todos'



Vivemos um período em que a política se converteu  exclusivamente na  busca e  conservação do poder, por meio da radicalização do discurso político e da intolerância com as diferenças de pensamento e de opinião.  A idéia é vencer e impor a vontade de maiorias efêmeras, sem se importar que a democracia não é e nunca foi a tirania das maiorias, mas sim o respeito aos diferentes interesses e visões de mundo que convivem nas sociedades humanas.

Governar apenas para os seus significa deixar de lado qualquer projeto nacional que reúna a nação para um conjunto de objetivos e metas compartilhadas. Para isso são necessários governos unificadores, que compreendam as diferenças e que falem para todos, com o propósito permanente de unir e de pacificar.

Tudo isso me vem à mente ao ler um excelente trabalho do economista Roberto Macedo registrando as quatro décadas de estagnação que vivemos desde os anos 80. Usando dados históricos, ele nos mostra, por exemplo, que na década de l950 a 1959 o Brasil cresceu 7% ao ano e na década de 1960 a 1969 cresceu a 6%. Na década de 1970 a 1979, o crescimento econômico chegou a números chineses:  8,8%.

Depois de três décadas de alto crescimento, despencamos. Na década de 80, o crescimento baixou para 3%; na de 90, a taxa média caiu para 1,8% e finalmente, na de 2000 subiu para 3,4% e  na década de 2010-2019 chegamos ao crescimento médio anual de apenas 1,4%.

Nesses mesmos últimos 40 anos, os chamados países em desenvolvimento ou emergentes cresceram muito mais. Numa lista de 155 países escolhidos pelo FMI, tivemos os seguintes resultados médios: 1980/89: 3,2%; 1990/99: 3,63%; 2000/09: 6,10% e 2010/19: 5,11%. Simplesmente crescemos menos que nossos pares e estamos ficando relativamente mais pobres.

Vamos a algumas reflexões. Na década de 50, tivemos dois estadistas na Presidência - Getúlio Vargas e Juscelino. Governaram em meio aos mais intensos conflitos, conflitos que não foram criados por eles e que eles suportaram, sem ferir a nação. Governaram para todos. A vida seguiu, a economia cresceu, a esperança e a confiança eram os sentimentos dominantes. Mesmo na década de 60, apesar da grave e dolorosa ferida dos governos militares, não se pode dizer que a nação esteve à beira da desintegração. Por medo, comodismo ou outro sentimento difícil de definir, a vida social e econômica seguiu seu rumo. O mesmo pode ser dito dos anos 70, os do "milagre econômico".

Depois dos 70, os erros acumulados e o prolongamento do mando militar muito além da paciência democrática da sociedade, levaram ao fracasso na economia e ao inicio da polarização política que iria se agravar logo adiante. Isso explica o mau desempenho do Brasil nesses últimos 40 anos, malgrado o esforço, ao mesmo tempo modernizador e pacificador dos dois mandatos de Fernando Henrique. Foram pontos fora da curva. O novo normal agora é o longo sectarismo petista e hoje a sua radical contraface, despertando demônios de que não suspeitávamos.

O crescimento, a igualdade e a felicidade nunca caem dos céus. São obra dos homens em sociedade. Separados, os homens não prosperam. Essa é a lei da história. Para isso, precisam de governos que semeiem a paz, a humildade e a civilização.
 


Publicidade