Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Venda sentenças e se aposente com 35 mil. Roube farinha e vá para a prisão

Um país não chega a 20 milhões de famintos catando ossos em lixões à toa, não


08/11/2021 11:17

Algemas em formato de 8
Não é admissível aceitar o rigor da lei - a prisão dos três famosos P's (preto, pobre e puta) - enquanto os ladrões mais perigosos e nocivos do país continuam livres (foto: Piqsels)


A desembargadora baiana Encarnação das Graças Sampaio Salgado - sim, ela se chama Encarnação; basta saber do quê -, acusada de vender sentenças, teve como punição sua aposentadoria antecipada, com salário de 35 mil reais mensais.

Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, e atual amigo-de-fé, irmão-camarada de Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, foi condenado em 2012 por desvio de verba pública na Assembleia Estadual de Alagoas, mas o caso encontra-se parado.

Nessas semanas passadas, o ‘mito’ que desgoverna o Brasil condecorou a si próprio com uma ‘medalha de honra ao mérito’; furou a fila do Colégio Militar de Brasília e emplacou sua filha sem prestar exame; e arranjou uma boquinha pública para seu médico particular.

Não preciso aqui relembrar Eduardo Cunha (solto e de volta à política), Lula (solto e favorito em 2022), todos os últimos governadores do Rio de Janeiro, o senador das rachadinhas e da mansão (Flávio Bolsonaro) e Fernando Collor, o novo amigão do peito de Bolsonaro.

Também não preciso relembrar o mensalão, o petrolão, os anões do orçamento, as vacinas que seriam superfaturadas em 1000%. Nem o Aécio, o Botafogo (Rodrigo Maia), a Coxa ou Amante (Gleisi Hoffmann), o Queiroz, o Ciro Nogueira (atual Chefe da Casa Civil).

Mas preciso lembrar de Angélica Aparecida Souza Teodoro, presa por 4 meses por furtar um pote de margarina. Ou da mulher, no Rio de Janeiro, também presa por furtar um miojo e um suco em pó. Ou um idoso de SP que furtou farinha e conheceu uma cela lotada.

Que se note: particularmente, sou favorável à prisão de qualquer ‘pequeno criminoso’, desde que seja reincidente ou contumaz. Sou adepto da famosa política de ‘tolerância zero’, que foi determinante para o controle (quase total) da criminalidade em Nova York, nos EUA.   

Contudo, não é admissível aceitar o rigor da lei - a prisão dos três famosos P’s (preto, pobre e puta) - enquanto os ladrões mais perigosos e nocivos do país não só continuam livres, leves e soltos, como em pleno uso do poder para continuar delinquindo às nossas custas.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade