Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Com 19 milhões passando fome, Bolsonaro segue sem agenda para o País

Por inépcia, incapacidade ou pura maldade, o presidente continua sem governar, fomentado debates inúteis como distração


04/10/2021 07:15

Bolsonaro agenda fome cloroquina pandemia
'Nenhum presidente, dentre as 20 maiores economias globais, lidou tão mal com a COVID-19 quanto o devoto da cloroquina' (foto: Isac Nobrega/PR )
Desde que assumiu, Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, mostrou ao que não veio: governar. Ou por ser incapaz - e ele é - ou por não ter plano de governo - e não tem. Passados quase três anos, o Brasil está afundado num poço de mortes, desemprego, inflação, isolacionismo, intolerância política e, agora, fome!

Há nada menos que 19 milhões de brasileiros passando fome. Pior. Grande parte dessa tragédia é formada por crianças. Há 40 milhões de pessoas em estado de insegurança alimentar. Há 25 anos não se consumia tão pouca proteína animal. E milhões até conseguem comida, mas não podem comprar gás para cozinhar.

É verdade que o mundo inteiro, sobretudo os países mais pobres, enfrentam dias difíceis por conta da pandemia mundial de coronavírus. Mas é verdade, também, que o Brasil se encontra nos topos dos rankings do que há de pior hoje em dia; da inflação ao desemprego, passando por falta de vacinas e recorde de mortes.

BOLSONARO


Nenhum presidente, dentre as 20 maiores economias globais, lidou tão mal com a COVID-19 quanto o devoto da cloroquina. Nenhum presidente, igualmente, durante estes quase dois anos, conspirou tanto a favor do vírus e contra a vida. E nenhum presidente foi tão incapaz de gerir a economia interna de seu país.

A falácia bolsonarista de que a culpa é de prefeitos e governadores - ou da política do 'fique em casa' - é tão verdadeira quanto uma nota de 3 reais. Primeiro, porque nunca tivemos 'lockdown' em nenhuma cidade. E ainda que tivéssemos tido, fosse assim, por que apenas o Brasil está tão mal das pernas assim?

A verdade inexorável, meus caros e caras, é que o desastre atual tem culpado. E este culpado tem nome (Jair) e sobrenome (Bolsonaro). Assim como, tem milhões de cúmplices espalhados pelo Brasil: gente que se aglomera com ele, que espalha mentiras sobre o vírus, que não toma vacina e prega golpe de Estado.

ELEIÇÕES 2022


Bolsonaro aprisionou o País em uma rinha de galo. Enquanto tribos extremistas se matam nas redes sociais, o centrão domina a agenda política e os cofres públicos, as reformas estruturantes não saem do papel e mais um ano está perdido, a cena política foi capturada por um outro extremista destruidor: Lula da Silva.

O meliante de São Bernardo é o principal - e talvez o único - beneficiado da sanha sociopata do amigão do Queiroz. Quanto mais o País afunda, mais Lula cresce. E tudo indica que continuará a crescer, já que todos cenários para o futuro só fazem piorar. Até porque, Bolsonaro faz tudo o que pode para que piorem mesmo.

O Brasil precisa escapar dessa armadilha do mal. A população precisa sair dessa condição de torcida organizada. O Youtube está lotado de entrevistas e podcasts com Doria, Eduardo Leite, João Amoêdo, Mandetta e outros nomes que poderão disputar a Presidência em 2022. Por favor, senhoras e senhores, assistam! 

RECADO FINAL


Os caras falam por duas, três horas seguidas. A diferença para Lula e Bolsonaro, dois populistas sem ideias e semi-alfabetizados, é gritante. Falam sobre política, economia, meio ambiente, sociedade... Não xingam, não agridem, não ofendem porque possuem conteúdo. E não prometem milagres, tampouco.

Coloquem Lula e Bolsonaro diante de 'entrevistadores' livres, como os garotos do Flow. Vamos ver se têm conteúdo para três, quatro horas de conversa. Vamos ver se conseguem falar sobre assuntos gerais, sem o blá blá blá populsita e mentiroso de sempre. Se conseguem construir sem destruir. Se conseguem agregar.

Escolham o próximo presidente como quem escolhe o marido ou a esposa; como quem escolhe o pai ou a mãe dos filhos que irá ter. Não escolham por simpatia ou messianismo, por promessas e mentiras, por ataques e destruição. Escolham pelo que poderão realizar, mas sempre embasados no que já realizaram. Por favor!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade